Presidente ucraniano diz que respeitou integralmente a lei

A Procuradoria-geral da Ucrânia disse ter analisado as informações e não ter encontrado "nenhum indício de crime"

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, que uma investigação internacional revelou ter registado uma empresa num paraíso fiscal no auge da guerra com os separatistas pró-russos, afirmou hoje que respeitou integralmente a lei.

A investigação internacional do Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação, designada Papéis do Panamá, revelou que o presidente pró-ocidental da Ucrânia registou uma empresa nas Ilhas Virgens britânicas, a 21 de agosto de 2014, cuja existência omitiu nas declarações de rendimento.

Num comunicado divulgado hoje na sua página no Facebook, Poroshenko não nega a existência da empresa, mas assegura que nunca violou a lei ucraniana ou as leis internacionais.

"Sou talvez o primeiro alto responsável na Ucrânia que encara as questões relacionadas com declarações de rendimentos, pagamento de impostos e conflitos de interesses com seriedade e profundidade e em total cumprimento da lei ucraniana e internacional", escreveu.

"Ao tornar-me presidente, deixei de participar na gestão dos meus bens, tendo delegado essa responsabilidade em consultoras e sociedades de advogados", acrescentou.

A Procuradoria-geral da Ucrânia disse ter analisado as informações e não ter encontrado "nenhum indício de crime".

Já o líder do Partido Radical (populista), Oleg Lyashko, defendeu a demissão de Poroshenko e disse ter "iniciado procedimentos para a destituição" do presidente. O partido tem 21 dos 450 deputados do parlamento nacional ucraniano.