Presidente retira nomeação de primeiro-ministro devido a escândalo político

Dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se em Seul no sábado, exigindo que Park abandone a presidência

A Presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, anulou hoje a recente nomeação do novo primeiro-ministro perante a resistência da oposição, devido ao escândalo político ligado à alegada interferência de uma amiga da Presidente em assuntos de Estado.

Numa reunião com o presidente da Assembleia Nacional, Chung Sye-kyun, a chefe de Estado aceitou que sejam os deputados da câmara baixa a eleger o novo primeiro-ministro do país, de acordo com uma breve mensagem transmitida após o encontro.

Park também informou o seu interlocutor de que o novo primeiro-ministro será responsável por controlar o gabinete, ao invés da própria Presidente, envolvida no maior escândalo político dos últimos anos na Coreia do Sul.

No passado dia 02, a Presidente nomeou como novo primeiro-ministro Kim Byong-joon, um político ligado à oposição, na tentativa de atenuar os contínuos pedidos de demissão.

No entanto, a proposta necessitava da ratificação da Assembleia Nacional, que provavelmente não iria acontecer devido à rejeição dos dois partidos da oposição - em maioria -, que acreditam que, com a nomeação unilateral, Park pretendia afastar de si responsabilidades pelo caso Choi Soong-sil.

Choi é uma amiga da Presidente que, apesar de não ter qualquer cargo público, alegadamente modificou os seus discursos, interveio em assuntos de Estado e captou fundos de forma ilícita utilizando a sua influência para se apropriar de parte deles, segundo suspeita o Ministério Público.

Dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se em Seul no sábado, exigindo que Park abandone a presidência.

Uma sondagem nacional divulgada na sexta-feira coloca a taxa de aprovação de Park nos 5% - o valor mais baixo alguma vez alcançado por um Presidente na Coreia do Sul desde que o país alcançou a democracia no final da década de 1980 após décadas de ditadura militar.

O mandato da Presidente termina dentro de 15 meses. Caso Park se demita antes, a lei determina que têm de ser realizadas eleições presidenciais no prazo de 60 dias.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG