Presidente dos Estados Unidos admite negociações com o Irão

Declarações do presidente dos EUA surgem após o homólogo do Irão admitir referendo sobre o programa nuclear de Teerão.

O presidente Donald Trump admitiu esta segunda-feira, em Tóquio, haver abertura dos EUA para negociar com o Irão, que o primeiro-ministro japonês planeia visitar em junho.

"Eu realmente acredito que o Irão gostaria de falar e, se eles quiserem falar, vamos conversar", disse o líder norte-americano no início de uma reunião com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, indicaram os 'media' locais.

"Vamos ver o que vai acontecer, mas uma coisa é certa para mim: o primeiro-ministro [japonês] tem uma relação próxima com os lideres iranianos [e] ninguém quer ver coisas terríveis acontecerem, especialmente eu", acrescentou Trump.

Estas declarações surgem um dia depois de o presidente do Irão, Hassan Rouhani, ter defendido que o país pode realizar um referendo sobre o programa nuclear.

O clima de tensão entre Teerão e Washington têm vindo a agravar-se nos últimos dias, com os EUA a enviarem importantes meios aeronavais para o Médio Oriente.

O anúncio do líder iraniano foi feito num discurso à nação e aconteceu um ano depois de Donald Trump ter decidido retirar os Estados Unidos do acordo nuclear e retomar as sanções contra Teerão.

Os meios de comunicação social japoneses noticiaram que Abe está a planear uma visita a Teerão no próximo mês. A agência de notícias japonesa Kyodo, que citou fontes governamentais não identificadas, indicou na sexta-feira que a visita de Abe poderá realizar-se em meados de junho, depois de no início de maio o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano ter efetuado uma deslocação a Tóquio.

O Presidente norte-americano iniciou no sábado uma visita ao Japão, com uma agenda focada no reforço das relações bilaterais e no impasse das negociações com a Coreia do Norte.

Trump foi o primeiro governante estrangeiro a ser recebido pelo novo imperador do Japão, Naruhito, que subiu ao trono em 01 de maio na sequência da abdicação do pai, o agora imperador emérito Akihito.

A visita do chefe de Estado norte-americano prolonga-se até terça-feira e inclui reuniões oficiais e momentos de lazer com o primeiro-ministro nipónico, Shinzo Abe, que esteve em Washington em abril.

Trump chega ao Japão quando Tóquio e Washington discutem um novo acordo comercial, embora não se espere grande progresso nesse sentido, segundo fontes norte-americanas.

Exclusivos