Precisa de um visto para os EUA? Vai ter de mostrar as redes sociais

Nos novos formulários para obtenção de visto para os Estados Unidos existe uma lista de redes sociais e um espaço à frente para preencher o nome de utilizar atual e nos últimos cinco anos.

A maioria das pessoas que peça um visto para os Estados Unidos será obrigada a preencher um campo com indicações para as suas redes sociais. A medida, que tem como objetivo aumentar o controlo sob quem entra no país, estará em vigor já este mês, segundo explicou o Departamento do Estado.

Os novos formulários têm uma lista com várias redes sociais onde é necessário escrever o seu nome de utilizador atual e nos últimos cinco anos. Estão dispensados de preencher estes campos os requerentes de alguns vistos diplomáticos. Pelo contrário quem vai em turismo, trabalho ou para estudar tem de completar estas informações.

"Estamos a trabalhar para encontrar mecanismos que melhorem os nossos processos de triagem para proteger os cidadãos americanos, enquanto apoiamos viagens legítimas para os Estados Unidos", explicou o Departamento do Estado, citado pela BBC.

Para além disto e de toda a documentação que já era necessária, será ainda preciso um endereço de e-mail e os números de telefone utilizados também nos últimos cinco anos.

Estas propostas feitas por Donald Trump em 2017, podem afetar 14,7 milhões de pessoas por ano. E têm sido alvo de várias críticas. "Isto é perigoso, problemático e nada contribui para as preocupações com a segurança, levanta sim questões significativas relacionadas com a privacidade de cidadãos e imigrantes", disse a diretora do projeto União Americana das Liberdade Civis, Hina Shamsi, ao The New York Times.

"Não há evidências de que tal monitorização das redes sociais seja efetiva ou justa", acrescenta. Segundo Hina Shamsi, esta medida pode ainda ser uma forma das pessoas se autocensurarem na Internet com medo de represálias.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.