Marcelo coroado 'rei amor' na Costa do Marfim

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, foi hoje nomeado "Apôh", que significa amor, recebeu as vestes e a coroa de chefe tradicional da Costa do Marfim, o que considerou uma honra.

Nesta cerimónia na sede do Distrito Autónomo de Abidjan, já sem a coroa, o pano, as sandálias, o colar e o bastão de chefe tradicional, Marcelo Rebelo de Sousa fez questão, no entanto, de se declarar "muito contente de ser Presidente da República e não rei".

"Seria muito pesado para um republicano ser rei. Muito, muito pesado", acrescentou.

Antes, o governador Robert Beugre Mambe entregou-lhe a chave e o diploma de cidadão honorário do distrito de Abidjan, os símbolos de chefe tradicional e comunicou-lhe o seu novo nome, "Apôh", explicando que "quer dizer amor, caridade, devoção, consenso, encontro".

Robert Beugre Mambe considerou que se ajusta ao percurso e à personalidade de Marcelo Rebelo de Sousa, "um homem de direito, um homem de comunicação, um homem de Estado, com amor profundo pelo seu país", que "sabe falar com todos" dentro e fora de Portugal, "um homem de paz".

O Presidente da República gostou do nome. "Em Portugal dizem que eu sou o Presidente dos sentimentos, das emoções, dos afetos, da proximidade das pessoas", referiu, num discurso de agradecimento, em francês.

Marcelo Rebelo de Sousa assegurou que não só ele, mas "todos os portugueses e as portuguesas são assim", e defendeu que "todos os cidadãos do mundo deveriam ser assim" e "saber compreender os outros".

O Presidente da República termina hoje a sua visita de Estado à Costa do Marfim, onde na quinta-feira, perante o seu homólogo costa-marfinense, confirmou oficialmente que Portugal irá abrir uma embaixada em Abidjan.

Antes de regressar a Lisboa, o Presidente da República visita ainda o Centro de Tratamento de Resíduos de Abidjan, operado pela Mota-Engil, e terá encontros com representantes da comunidade portuguesa na Costa do Marfim, estimada em cerca de 200 pessoas, e com alunos de língua portuguesa.

O ex-vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, encontra-se em Abidjan e também estará nessa visita, na qualidade de membro do Conselho Consultivo da Mota-Engil. Portas deixou a liderança do CDS-PP em março de 2016 e renunciou ao cargo de deputado três meses depois, para se dedicar sobretudo à vida empresarial.

Marcelo Rebelo de Sousa viajou para a Costa do Marfim na quarta-feira, vindo de Cabo Verde, num Falcon da Força Aérea que aterrou já depois da meia-noite, para uma visita de Estado concentrada na capital económica, Abidjan, num momento de reforço das relações político-diplomáticas e económicas bilaterais.

Exclusivos

Premium

Rogério Casanova

Arquitectura fundida

Uma consequência inevitável da longevidade enquanto figura pública é a promoção automática a um escalão superior de figura pública: caso se aguentem algumas décadas em funções, deixam de ser tratadas como as outras figuras públicas e passam a ser tratadas como encarnações seculares de sábios religiosos - aqueles que costumavam ficar quinze anos seguidos sentados em posição de lótus a alimentar-se exclusivamente de bambu antes de explicarem o mundo em parábolas. A figura pública pode não desejar essa promoção, e pode até nem detectar a sua chegada. Os sinais acumulam-se lentamente. De um momento para o outro, frases suas começam a ser citadas em memes inspiradores no Facebook; há presidentes a espetar-lhes condecorações no peito, recebe convites mensais para debates em que se tenciona "pensar o país". E um dia, subitamente, a figura pública dá por si sentada à frente de uma câmera de televisão, enquanto Fátima Campos Ferreira lhe pergunta coisas como "Considera-se uma pessoa de emoções?" ou "Acredita em Deus?".

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Ler e/ou escrever

Há muitos anos, recebi um original de ficção de uma autora estreante que pedia uma opinião absolutamente sincera sobre a sua obra. Designar por "obra" o que ainda não devia passar de um rascunho fez-me logo pensar em ego inflamado. Por isso decidi que, se a resposta fosse negativa, não entraria em detalhes, sob o risco de o castelo de cartas cair com demasiado estrondo. Comecei pela sinopse; mas, além de só prometer banalidades, tinha uma repetição escusada, uma imagem de gosto duvidoso, um parêntese que abria e não fechava e até um erro ortográfico que, mesmo com boa vontade, não podia ser gralha. O romance propriamente dito não era melhor, e recusei-o invocando a estrutura confusa, o final previsível, inconsistências várias e um certo desconhecimento da gramática.

Premium

João Lopes

A última tentação cinéfila

O ator Willem Dafoe é um dos homenageados do Lisbon & Sintra Film Festival: entre os seus títulos mais emblemáticos inclui-se A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese, filme gerado num contexto de produção de Hollywood que já não existe.O ator Willem Dafoe é um dos homenageados do Lisbon & Sintra Film Festival: entre os seus títulos mais emblemáticos inclui-se A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese, filme gerado num contexto de produção de Hollywood que já não existe.