Português em greve de fome em Cabo Verde promete que fica "até ao fim"

Carlos Guterres está sem comer em protesto por não conseguir viajar para Portugal com a sua mulher cabo-verdiana, a quem ainda não foi atribuído um visto.

O português Carlos Guterres, que vive em Cabo Verde e não aceita a recusa de um visto para a mulher cabo-verdiana visitar Portugal, prometeu esta quarta-feira "ir até ao fim" com uma greve de fome, que hoje está no terceiro dia de protesto.

"Fisicamente ainda estou bem, mas começo a sentir o pensamento mais lento. Até agora, apenas bebi água e hoje comecei a beber água com açúcar", contou à agência Lusa, em frente ao Centro Comum de Vistos, na Praia.

Carlos Guterres, 60 anos, casado há três com Dulce Guterres, está há mais de oito anos em Cabo Verde. Atualmente, está sem ocupação, mas já trabalhou "com várias empresas".

O cidadão português diz ter já bilhetes de avião comprados para sexta-feira ir visitar Portugal, na companhia da sua mulher cabo-verdiana, com quem está casado há três anos e vive em Cabo Verde.

O Centro Comum de Vistos (CCV) recebe, avalia e decide os pedidos de visto para visitas de curta duração ao espaço Schengen de cidadãos cabo-verdianos e estrangeiros legalmente residentes em Cabo Verde.

Este organismo recusou o visto a Dulce Guterres, mulher do português em greve de fome, por alegadamente este não ter residência em Portugal.

A requerente apresentou um recurso desta decisão e por isso foi chamada para uma entrevista, terça-feira, onde terá sido avisada de que este tipo de situações pode levar à instauração de um processo, como contou a própria à Lusa.

Dulce Guterres diz-se ansiosa por conhecer Portugal, os filhos e netos do marido e também por visitar a sua irmã que lá vive.

"Vou continuar a lutar. Se existem leis, também existem seres humanos. Vou lutar por mim e pela outra pessoa. Vou lutar até ao fim, não vou desistir. Vou ficar aqui, mesmo que perca o trabalho, mesmo que perca tudo", referiu.

Carlos Guterres mantém a intenção de prosseguir com a greve de fome e garante que ainda não foram contactados por ninguém do CCV ou da Embaixada de Portugal em Cabo Verde.

Passou a noite com a mulher frente à entrada do CCV, em cima de uma manta, ao lado da qual se pode ler um cartaz: "Greve de fome".

Na terça-feira, fonte consular disse à Lusa que desde o início que aconselhou o cidadão português a esperar pela decisão do recurso apresentado, mas que este terá optado por manter a intenção de partilhar o seu caso com a comunicação social.

A mesma fonte acrescentou que ao CCV foi exigida isenção e o cumprimento da lei na reapreciação que está a ser feita e que não se deixasse influenciar por causa da situação nem da atitude do marido da requerente do visto.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.