População compra toda a cerveja e deixa a seco festival de neonazis

Num protesto inédito contra a comemoração do aniversário de Hitler naquela localidade, os habitantes de Ostritz, na Alemanha, impediram os neonazis de consumirem álcool.

Todos os anos a pequena povoação alemã de Ostritz, localizada na região de Dresden, perto na fronteira com a Polónia, é "invadida" por neonazis que ali fazem palco de celebração do aniversário de Adolf Hitler.

Este ano, porém, os neonazis enfrentaram um protesto inédito da população local, que esvaziou as prateleiras dos supermercados de toda a cerveja disponível - a bebida mais consumida pelos admiradores de Hitler durante o festival, que conta com conjuntos de hard rock.

Conta o jornal digital "Contacto", que a festa ficou a seco, uma vez que as autoridades locais, já para prevenir habituais cenas de violência, tinham proibido a venda de álcool no hotel onde se realizaram as comemorações da extrema-direita - iniciativa que designam por "Shield and Sword" (Escudo e Espada), cujo diminutivo é "SS", abreviatura da famosa polícia política de Hitler.

Ao todo, a polícia apreendeu cerca de 4400 litros de cerveja nesse hotel e os habitantes compraram mais de 200 caixas nos supermercados locais, segundo a BBC.

Um ativista de Ostritz, Georg Salditt, disse ao jornal alemão Bild: "O plano foi feito com uma semana de antecedência. Queríamos secar os nazis. Pensámos que, se uma proibição do álcool não chegasse, esvaziaríamos as prateleiras dos supermercados".

Ostritz tem cerca de 2500 habitantes e, nos últimos anos, tem sido transformada numa espécie de local de peregrinação da extrema-direita, embora não exista nenhuma explicação histórica para isso - fica a quase 400 quilómetros de distância de Braunau am Inn, na Áustria, onde nasceu Adolf Hitler.

Questionado por jornalistas, em novembro passado, sobre porque Ostritz tinha sido escolhida, Thorsten Heise, chefe do Partido Democrático Nacional (NPD), de extrema-direita, no vizinho Estado da Turíngia, e um dos organizadores do evento neonazi, respondeu: "Porque não? Não há o suficiente na Saxónia. Estamos a tornar a política mais animada".

Nas últimas eleições federais, em 2017, a extrema-direita cresceu nesta região, obtendo votos de mais de 30% da população.

Ainda assim, pelo exemplo do protesto de Ostritz, ainda há muita gente determinada em impedir que se torne palco de propaganda nazi.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.