Polícia senegalesa detém 11 pessoas por participarem em casamento homossexual

Casamento era apenas um ato simbólico já que lei do país prevê penas de prisão efetiva até cinco anos para quem concretizar atos "antinaturais com uma pessoa do mesmo sexo"

A polícia do Senegal deteve 11 pessoas por terem participado numa cerimónia simbólica que representava um casamento entre pessoas do mesmo sexo, prática que a legislação senegalesa penaliza, indicou hoje a imprensa local.

Segundo os relatos dos jornais, os factos ocorreram sexta-feira numa escola de Kaolack, 200 quilómetros a sul de Dacar e já na província de Casamança, quando a polícia interrompeu o ato de união de dois homens e apreendeu os anéis de casamento e outros objetos não especificados.

Entre os 11 detidos estão os dois noivos.

A polícia continua, porém, à procura de alguns dos "assistentes" do casamento que não foram detidos na altura e que acabaram por fugir.

Em 2008, as forças da ordem senegalesas prenderam um casal do mesmo sexo que estava a casar no município de Mbao, nos arredores de Dacar.

O Código Penal do Senegal prevê penas de prisão efetiva até cinco anos e multas até 3000 dólares (2.735 euros) a quem concretizar atos "impróprios ou antinaturais com uma pessoa do mesmo sexo".

Em agosto último, um tribunal de Dacar condenou a seis meses de prisão sete pessoas acusadas de "praticar homossexualidade".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG