Manifestações em Hamburgo. Polícia pede reforços

Pedido surgiu numa altura em que se sucedem tentativas de bloqueio e de ataques de manifestantes

A polícia de Hamburgo, na Alemanha, pediu hoje o envio de novo reforço de efetivos antimotim face à possibilidade de aumentarem os protestos violentos no âmbito da cimeira do G20, indicou o semanário Der Spiegel.

O pedido, segundo a edição online do semanário, surgiu numa altura em que se sucedem as tentativas de bloqueio e de ataques de manifestantes em diversos pontos daquela cidade do norte da Alemanha contra a realização da cimeira, cuja segurança é garantida por cerca de 19 mil polícias.

Ao nascer do sol, várias ruas foram bloqueadas pelos ativistas, havendo ainda alguns atos de sabotagem de linhas de caminhos de ferro, o que levou as autoridades federais de Hamburgo a fazer o pedido de reforço.

Vários grupos de 200 manifestantes protagonizaram ações de protesto, sentando-se nas ruas de acesso ao centro de congressos onde decorre a cimeira, enquanto a polícia utilizava canhões de água e cargas policiais para dispersar elementos mascarados ou de organizações identificadas como violentas.

Os manifestantes, por seu lado, lançaram objetos contra o dispositivo policial que protege um dos hotéis onde se alojaram algumas delegações, entre elas a da Rússia, liderada pelo Presidente Vladimir Putin, e a da Coreia do Sul, chefiada pelo Presidente Mon Jae.

A polícia deu também conta do lançamento de um artefacto pirotécnico contra um helicóptero.

Num balanço provisório da polícia alemã, desde quinta-feira, altura em que começaram os incidentes, 111 agentes das forças de segurança ficaram feridos, enquanto 44 pessoas foram detidas.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.