Polícia da Irlanda do Norte liberta suspeitos de morte de jornalista

Lyra McKee foi morta a tiro durante tumultos registados quinta-feira em Londonderry e que a polícia qualifica como "ato terrorista de dissidentes republicanos".

A polícia da Irlanda do Norte anunciou este domingo ter libertado, sem acusação, os dois jovens presos na investigação sobre a morte da jornalista Lyra McKee durante os tumultos de quinta-feira em Londonderry.

Com 18 e 19 anos, os homens foram detidos e levados para uma esquadra da polícia em Belfast a fim de serem interrogados.

Ao anunciar a libertação dos dois homens, a polícia também lançou um novo apelo para que testemunhas contactem as autoridades.

"Eu sei que há pessoas que sabem o que aconteceu, mas têm medo de se manifestar. Se tiverem informações, não importa quão pequenas sejam, entrem em contacto com os investigadores", apelou o comissário Jason Murphy, em comunicado citado pela agência France Presse.

No sábado, a polícia irlandesa anunciou a detenção de dois homens, com 18 e 19 anos, no âmbito da investigação à morte de uma jornalista, baleada na noite de quinta-feira na sequência de confrontos em Londonderry.

A jornalista, Lyra Mckee, tinha 29 anos e foi morta a tiro na noite de quinta-feira.

Na sexta-feira, o presidente do Parlamento Europeu (PE) e a Federação Europeia de Jornalistas condenaram a morte da jovem repórter de investigação irlandesa, baleada enquanto fazia a cobertura de distúrbios num bairro da Irlanda do Norte.

Segundo as autoridades locais, a jornalista Lyra McKee, de 29 anos, morreu pelas 23:00 horas (hora local, a mesma em Lisboa) de quinta-feira em Londonderry, a segunda maior cidade da Irlanda do Norte.

Natural de Belfast, a jovem repórter foi atingida na cabeça por um homem com máscara que disparava contra a polícia no bairro de Creggan, em Londonderry, tendo morrido já no hospital.

Numa conferência de imprensa na sexta-feira, o inspetor do Serviço de Polícia da Irlanda do Norte Mark Hamilton afirmou que as autoridades acreditam que este foi "um ato terrorista cometido por violentos dissidentes republicanos".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG