Pelo menos 40 mortos em ataque suicida no Afeganistão

Duas explosões na agência de notícias Afghan Voice e num centro religioso na zona ocidental de Cabul provocaram pelo menos 40 mortos e 30 feridos.

Pelo menos 40 pessoas morreram e 30 ficaram feridas num ataque suicida na zona ocidental de Cabul, capital do Afeganistão.

O ministro do Interior do país confirmou à BBC que houve pelo menos duas explosões na zona, uma das quais na agência de notícias Afghan Voice, segundo o jornal Independent. No mesmo edifício fica também um centro cultural e religioso xiita.

As primeiras notícias davam conta de quatro mortos e meia dúzia de feridos, mas, entretanto, o porta-voz do ministro do Interior, Nasrat Rahimi confirmou que são pelo menos 40 mortos e 30 feridos. O ataque ocorreu pelas 10.30 da manhã (hora local), quando decorria uma conferência no centro cultural e muitas das vítimas são jovens estudantes que participavam nesse evento. Há também mulheres e crianças entre as vítimas que se encontravam na mesquita.

O atentato ainda não foi reivindicado, por nenhum grupo. A explosão é o mais recente ataque visando meios de comunicação afegãos nos últimos anos. Em novembro, um ataque tinha tido como alvo uma televisão privada em Cabul.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.