PCP solidário com Maduro após vitória das "forças contrarrevolucionárias"

Comunicado manifesta "confiança que as forças progressistas e revolucionárias venezuelanas encontrarão as soluções que defendam o processo revolucionário bolivariano"

Os dirigentes do PCP mostraram-se hoje solidários com o presidente venezuelano, Nicolas Maduro, cujo Partido Socialista Unido da Venezuela foi derrotado nas eleições de domingo pela coligação Mesa da Unidade Democrática (MUD), que obteve maioria de dois terços.

"Tendo-se realizado as eleições legislativas na República Bolivariana da Venezuela, onde após 17 anos (e 18 atos eleitorais em que foram derrotadas) as forças contrarrevolucionárias alcançaram a maioria dos lugares no parlamento, o PCP expressa a sua solidariedade às forças reunidas no Grande Polo Patriótico e, nomeadamente, ao Partido Socialista Unido da Venezuela e ao Partido Comunista da Venezuela", lê-se em comunicado.

O texto do PCP manifesta "confiança de que as forças progressistas e revolucionárias venezuelanas encontrarão as soluções que defendam o processo revolucionário bolivariano" e justifica o desaire pelo "contexto de uma conjuntura económica particularmente desfavorável em resultado da baixa do preço do petróleo e no quadro de grandes operações de desestabilização e boicote económico dos setores mais reacionários venezuelanos, articuladas com a ingerência do imperialismo".

A coligação da oposição obteve 99 assentos parlamentares face a 46 do PSUV, anunciou a presidente do Conselho Nacional Eleitoral venezuelano, Tibisay Lucena, numa aparição pública, cerca de cinco horas depois do encerramento das urnas.

Segundo Tibisay Lucena, houve uma "participação extraordinária" de 74,25% nas eleições parlamentares de domingo e já foram contabilizados 96,03% dos votos, sendo as tendências "irreversíveis".

Maduro já fez uma comunicação através da televisão, afirmando aceitar os resultados com "a moral e a ética do chavismo" e destacou o triunfo da "Constituição e da democracia".

Os resultados eleitorais traduzem uma viragem histórica depois da chegada do poder do 'chavismo' (de Hugo Chávez) em 1999, apesar de diversos analistas advertirem que Maduro pode tentar limitar os poderes do parlamento para contrariar o triunfo da oposição.

Cerca de 19,8 milhões de eleitores foram chamados às urnas no domingo para as eleições destinadas a renovar a Assembleia Nacional (parlamento) de 167 deputados, três dos quais em representação das comunidades indígenas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.