Partido Socialista à beira da maioria absoluta

Abstenção foi elevada, a rondar os 55%. Votação decorreu sem incidentes de maior. Atual chefe de governo revalida mandato para colocar o país na rota da União Europeia

O Partido Socialista da Albânia, liderado pelo atual primeiro-ministro Edi Rama, venceu as eleições legislativas disputadas neste domingo e, segundo os primeiros resultados divulgados, terá tido uma votação a rondar os 50%.

Depois de contabilizados 20% dos mais de cinco mil locais de voto, os socialistas tinham obtido 50,33%, deixando a principal força da oposição, o Partido Democrático de Lulzim Basha, a uma considerável distância, com 27,26%.

O Movimento Socialista de Integração (MSI), partido do atual presidente do país, Ilir Meta, contabiliza 15,32%. Com estes resultados, Edi Rama poderá conseguir a desejada maioria absoluta. Caso não atinja esse patamar (pelo menos 71 lugares dos 140 do parlamento albanês), é possível que o MSI continue a partilhar a governação com os socialistas, reeditando a coligação nascida nas anteriores eleições, em 2013.

Segundo a AFP, apesar de algumas acusações entre partidos sobre "intimidação" e "compra de votos", a votação decorreu sem incidentes relevantes. A abstenção terá sido elevada, a rondar os 55%. Os festejos do último dia do mês do Ramadão e as elevadas temperaturas são dois dos motivos apontados para a baixa afluência às urnas. Em 2013 a abstenção ficou-se pelos 47%.

Com Bruxelas no GPS político

Os principais responsáveis ainda não reagiram aos resultados, com exceção do presidente da Câmara de Tirana, o socialista Erion Veliaj. "Uma vitória dos políticos de progresso, das reformas, das aspirações europeias", escreveu o autarca na sua conta de Twitter.

O desafio que Rama tem agora pela frente passa por continuar a aproximar a Albânia da União Europeia. A Albânia apresentou a candidatura a membro da UE em 2009 e em 2014 ganhou o estatuto de candidato oficial. Rama tem esperanças de que até ao final do ano seja possível iniciar as negociações.

Edi Rama, professor de Belas Artes e antigo basquetebolista da seleção nacional, chegou à política em 1998 quando foi convidado pelo então chefe do governo, Fatos Nano, para ministro da Cultura.

Entre 2000 e 2011 foi presidente da câmara de Tirana e em 2013 venceu as legislativas, chegando assim a primeiro-ministro. No ano passado, foi convidado a expor os seus trabalhos na reputada galeria de arte contemporânea Marian Goodman, em Nova Iorque. Muitos dos desenhos que viajaram até aos EUA foram feitos durante as reuniões que a governação exige. O hábito nasceu quando ainda era ministro da Cultura: "Não conseguia encontrar uma maneira de sobreviver às longas reuniões. E depois descobri que desenhar ajudava-me a ouvir."

Foi em 1991 que se realizaram as primeiras eleições multipartidárias na Albânia desde 1923. Com 56,2%, a votação foi ganha pelo Partido do Trabalho da Albânia (PTA), formação que o ditador Enver Hoxha liderou entre 1941 e 1985. Desde então, o poder tem alternado entre o Partido Socialista (que sucedeu ao PTA) e o Partido Democrático.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG