"Parlamento europeu é ridículo", defende Juncker. "Não somos", responde Tajani

Presidente da Comissão Europeia envolveu-se numa discussão com o presidente do parlamento europeu

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse esta terça-feira que o parlamento europeu "é ridículo" e não é uma instituição séria, após apenas cerca de 30 dos 751 deputados europeus terem comparecido ao debate marcado para hoje. Juncker envolveu-se numa troca de palavras acesa com o presidente do parlamento, Antonio Tajani, e prometeu nunca mais participar em reuniões deste tipo.

"O Parlamento Europeu é ridículo, muito ridículo. Gostaria de dar as boas vindas àqueles que se deram ao trabalho de aparecer esta manhã mas o facto de estarem presentes neste debate cerca de 30 membros do parlamento apenas ilustra realmente o facto de o parlamento não ser [uma instituição] séria", disse Juncker.

O presidente da Comissão Europeia afirmou que se o primeiro-ministro da Malta, Joseph Muscat, que estava presente no debate, fosse o presidente da França, Emmanuel Macron, ou a chanceler alemã, Angela Merkel, "a casa estaria cheia".

O presidente do parlamento, Antonio Tajani, reagiu imediatamente às palavras de Juncker e pediu que o presidente da Comissão Europeia tivesse uma "atitude mais respeitosa".

"Pode criticar o parlamento, sim, mas a comissão não controla o parlamento. É o parlamento que devia controlar a comissão", afirmou Tajani.

"Só estão alguns membros no parlamento para controlar a comissão. Vocês são ridículos", respondeu Juncker.

A troca de palavras continuou e Antonio Tajani voltou a pedir que Juncker usasse uma linguagem mais moderada. "Não somos ridículos", respondeu o presidente do parlamento europeu, visivelmente irritado.

"Nunca mais participo numa reunião deste tipo", afirmou logo a seguir Juncker, que acusa o parlamento de não respeitar a presidência dos países pequenos.

A BBC realça que é raro o presidente de uma instituição europeia criticar tão abertamente outra instituição e confirma que estavam poucas pessoas no parlamento - menos de 100, contando com a comitiva de Juncker e do primeiro-ministro da Malta.

Uma fotografia publicada no Twitter mostra os lugares vazios no plenário.

Neste debate, o último no parlamento antes do início das férias de verão, seria discutida a luta para relocalizar refugiados da Itália e da Grécia e seria feita uma avaliação dos seis meses de presidência da União Europeia da Malta.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG