Parlamento do Reino Unido alvo de um ataque informático

Uma porta-voz da Câmara dos Comuns (câmara baixa) confirmou que foram descobertas "tentativas de acesso não autorizadas às contas de correio eletrónico dos parlamentares"

O Parlamento britânico foi alvo na sexta-feira à noite de um ataque informático, revelou hoje o político liberal democrata Chris Rennard, elemento da Câmara dos Lordes (câmara alta), através da rede Twitter.

Como consequência, segundo avançou Rennard, os parlamentares britânicos não conseguem aceder às suas contas de correio eletrónico fora do perímetro das instalações do Parlamento.

"Um ataque informático em Westminster, os correios eletrónicos dos parlamentares não estão funcionar de forma remota", escreveu o político na sua conta no Twitter.

Em declarações aos 'media' britânicos, uma porta-voz da Câmara dos Comuns (câmara baixa) confirmou que foram descobertas "tentativas de acesso não autorizadas às contas de correio eletrónico dos parlamentares".

A mesma porta-voz precisou que as dificuldades de acesso aos 'email' sentidas pelos parlamentares não foram provocadas pelo ataque informático, mas sim são uma consequência dos mecanismos que foram acionados para solucionar o problema.

A representante também indicou que as autoridades do Parlamento do Reino Unido estão em contacto com o Centro Nacional de Cibersegurança.

"Continuamos a investigar este incidente e a tomar medidas adicionais para proteger a rede informática", referiu a porta-voz, citada pela estação pública britânica BBC.

E acrescentou: "Temos sistemas instalados para proteger as contas dos membros e dos funcionários e estamos a tomar as medidas necessárias para proteger os nossos sistemas".

"O Parlamento desligou o acesso remoto para proteger a rede", concluiu a mesma porta-voz.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.