O mistério do "Miguel Ângelo" roubado numa igreja belga

Um padre da cidade flamenga de Zele pensava ter uma pintura de Miguel Ângelo na sua igreja. Mas a obra desapareceu antes da visita dos especialistas.

É o mistério que está a abalar a paróquia de Saint Ludge, na Bélgica. Interessado pela história da arte, o padre Jan Van Raemdonck descobriu recentemente que podia ter "um tesouro" esquecido na sua igreja, na cidade belga de Zele, situada cerca de 70 km a norte de Bruxelas.

Uma pintura da Sagrada Família sobre madeira, depositada num canto escuro da igreja, tinha incríveis semelhanças com um esboço de Miguel Ângelo que Van Raemdonck vira recentemente exposto na coleção do Duque de Portland.

A obra, que apresenta uma Virgem Maria, José, um menino Jesus adormecido e João Batista, foi doada à igreja de Saint Ludge por um paroquiano, o antigo senador belga Etienne Cooreman, há 16 anos. E até há pouco tempo tinha estado menosprezada num canto da igreja, até o padre Jan Van Raemdonck lhe dar destaque junto ao altar.

"Eu nunca falei sobre as minhas suspeitas na igreja. Só partilhei com alguma família, amigos e a administração da paróquia. Não mais de 20 pessoas"

O pastor da igreja de Saint Ludge confidenciara entretanto a "cerca de 20 pessoas, e nunca em público", as suas suspeitas de que o quadro se poderia tratar de uma obra do mestre renascentista ou de um dos seus discípulos. E pediu mesmo a visita de uma especialista na obra de Miguel Ângelo, Maria Forcellino, para avaliar a autenticidade daquela pintura.

A visita era esperada nos próximos dias, mas alguém se antecipou. Na última sexta-feira, o padre foi alertado por duas paroquianas de que o quadro tinha desaparecido de junto do altar, quando as duas senhoras chegaram à igreja para depositar flores.

"Eu nunca falei sobre as minhas suspeitas na igreja. Só partilhei com alguma família, amigos e a administração da paróquia. Não mais de 20 pessoas. Queria esperar pelos especialistas e, depois, se eles confirmassem tratar-se de uma pintura de Miguel Ângelo, anunciá-lo-ia e reforçaria a segurança da igreja", lamentou-se o pastor, à imprensa belga, acrescentando que também contactou "vários museus, por email", mas nunca obteve resposta.

O quadro, que pesa cerca de 100 kg e mede 145x99 cm, poderá valer cerca de 100 milhões de euros, caso se trate efetivamente de uma obra do autor dos frescos do teto da Capela Sistina, no Vaticano, cujo único outro trabalho na Bélgica é uma escultura em Bruges.

O Ministério Público da Flandres Oriental disse que a igreja foi assaltada através de entrada forçada pela sacristia entre as 5 e as 6 horas da sexta-feira. Uma testemunha descreveu um homem entre 17 e 20 anos de idade, que vestia roupas escuras e um capuz e carregava uma mochila. No entanto, dadas as dimensões do quadro, Van Raemdonck suspeita que mais do que um ladrão deve ter estado envolvido no assalto.

O quadro, que pesa cerca de 100 kg e mede 145x99 cm, poderá valer cerca de 100 milhões de euros caso se trate efetivamente de um Michelangelo

Curiosamente, o pastor Van Raemdonck, além de historiador e interessado por arte, é também um romancista e já escreveu um livro sobre Just Judges, um dos mais famosos roubos de arte na Bélgica - Just Judges é o painel inferior esquerdo do Ghent Alterpiece, pintura de Jan van Eyck ou do seu irmão Hubert Van Eyck, datada entre 1430 e 1432, roubado de Gent em 1934 e até hoje desaparecido.

Além disso, Raemdonck disse estar a a trabalhar atualmente num romance sobre a pintura da Sagrada Família. "A trama aconteceria em Zele, mas no tempo de Miguel Ângelo", revelou aos media belgas, esperando que a polícia consiga resolver este mistério digno de um bom romance policial.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG