Trump no 11 de Setembro: "O meu edifício voltou a ser o mais alto"

Numa conversa telefónica com a televisão WWOR de New Jersey na tarde dos atentados que mataram quase 3000 pessoas nos EUA o então empresário conta como viu a explosão da sua janela e refere que o seu edifício 40 Wall Street voltou a ser o mais alto da baixa de Manhattan após a queda das Torres Gémeas

Naquela tarde de 11 de setembro de 2001 a WWOR de Syracuse em New Jersey continuava a passar as imagens dos aviões a embaterem nas Torres Gémeas. A América e o mundo estava em choque com um atentado que se viria a saber mais tarde fez quase 3000 mortos nos EUA. Além do World Trade Center, o centro financeiro de Nova Iorque, os terroristas da Al-Qaeda atacaram o Pentágono e os passageiros obrigaram um quarto avião a despenhar-se num campo na Pensilvânia.

Com tantas horas de emissão por preencher, alguém na WWOR lembrou-se de ligar a Donald Trump para comentar o ataque. O empresário, uma das figuras mais conhecidas de Nova Iorque atendeu logo e aceitou dar uma entrevista, recordava em setembro de 2018 o The Washington Post.

"Ele estava nervoso", recorda Alan Marcus, porta-voz e assessor de Trump durante os anos 90 que fez a ligação entre a WWOR e o empresário.

"Tenho uma janela que dá mesmo para o World Trade Center e vi uma explosão enorme", contou Trump na entrevista, referindo-se à vista que tem da penthouse da Trump Tower. "Não queria acreditar", continuou. "Agora, estou a olhar para nada. Desapareceu. É difícil de acreditar".

Questionado pela pivô Brenda Blackmon sobre eventuais danos sofridos pelo edifício de que era dono no 40 Wall Street, Trump garante que não. Mas entretanto faz questão de sublinhar: "O 40 Wall Street era o segundo edifício mais alto da baixa de Manhattan e antes do World Trade Center era o mais alto - depois eles construíram o World Trade Center e passou a ser o segundo mais alto. E agora [o meu edifício] voltou a ser o mais alto".

Veja aqui o vídeo da entrevista:

Em 2018, por altura do 17.o aniversário dos ataques, Brenda Blackmon recordava aquele momento em declarações ao The Washington Post. "A minha única reação, no meio de tudo o que estava a acontecer foi, wow, que insensível".

Na altura, a entrevista de Trump perdeu-se no fluxo de notícias daquele dia, mas ao longo dos anos seguintes foi muitas vezes vista como um momento em que o empresário comunicou algumas das suas ideias sobre segurança nacional que mais tarde iriam fazer parte das suas políticas como presidente.

Tanto como candidato como já enquanto presidente, Trump tem falado várias vezes sobre o 11 de Setembro, elogiando as forças policiais e as equipas de socorro.

Mas também já foi acusado de politizar aquele momento. Como quando num debate entre candidatos à nomeação republicana em 2016 acusou os ex-presidentes Bill Clinton e George W. Bush de terem culpas no atentado.

E em 2015 promoveu uma teoria que andava a circular segundo a qual após a queda das Torres Gémeas teria havido centenas de muçulmanos a celebrar em New Jersey. Também nesse ano, garantiu ter visto pessoas a saltar das Torres no dia dos ataques, um facto que não referiu na tal entrevista dada à WWOR.

Já esta quarta-feira, Trump assinalou no Twitter o 18.º aniversário dos atentados, com uma mensagem simples: "Nunca esqueceremos 9-11-01", acompanhada de uma foto dele e da primeira dama, Melania, de costas, diante do memorial às vítimas das Torres Gémeas.

O presidente juntou-se esta esta quarta-feira a um minuto de silêncio no relvado sul da Casa Branca, rodeado de centenas de convidados, entre os quais sobreviventes e familiares de vítimas, bem como membros das forças de segurança.

Ao início da tarde esteve no Pentágono para uma cerimónia de homenagem às 184 pessoas que há 18 anos morreram na sede do Departamento de Defesa americano. "Hoje a nação honra e chora as 3000 vidas que nos foram roubadas", afirmou Trump de manhã. Num breve discurso, recordou ter ido ao Ground Zero após os aviões embaterem nas torres. E prometeu que as vítimas - e os sobreviventes - não serão esquecidos.

O presidente aproveitou ainda para atacar os talibãs, acusando os líderes do grupo, no poder no Afeganistão em 2001 e cuja recusa em entregar Osama bin Laden aos EUA levou à guerra, de serem os culpados pelo cancelamento de um encontro previsto para estes dias em Camp David. O objetivo era cimentar a paz. Mas o encontro foi cancelado. Agora Trump promete que os EUA os irão atacar "com mais força do que nunca".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.