Número de mortos em deslizamento de terras sobe para 279

144 das vítimas são menores. Mocoa declarou o estado de emergência

A forte tempestade que destruiu parte da cidade de Mocoa, no sul da Colômbia, causou pelo menos 279 mortos, dos quais 144 são menores, segundo a última atualização feita pelas autoridades.

De acordo com os números divulgados pelo instituto de Medicina Legal, citados pela agência de notícias espanhola Efe, entre os falecidos há 172 mulheres, 102 homens e 5 cadáveres cujo género não foi possível determinar.

O Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, que está desde segunda-feira em Mocoa, disse que os trabalhos de recuperação da cidade estão a ser levados a cabo.

"Temos estado a debater todos os temas, os detalhes, os problemas, porque aparecem sempre, e hoje vamos continuar com essa tarefa, vamos fazer uma revisão sobre a perspetiva de reconstrução de Mocoa", disse o chefe de Estado.

A tempestade violenta que se abateu sobre a cidade de Mocoa na sexta-feira à noite "destruiu totalmente" várias casas e provocou cheias e deslizamentos de terras.

A catástrofe natural que se abateu sobre Mocoa na sexta-feira à noite resultou em enchentes dos rios Mocoa, Sangoyaco e Mulatos, águas transbordaram para a cidade, originando um cenário de destruição.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.