Número de mortos em naufrágio em Mossul sobe para 100

Maioria das vítimas do naufrágio no rio Tigre são mulheres e crianças.

O número de mortos no naufrágio de uma embarcação no rio Tigre em Mossul (norte do Iraque) subiu para 100, a maioria mulheres e crianças, anunciou hoje o Ministério do Interior iraquiano.

O anterior balanço deste acidente, o mais mortífero no Iraque nos últimos anos e que ocorre quando se celebra o novo ano persa (o Noruz), apontava para 83 mortos.

O incidente resultou da conjunção de dois fatores: a sobrelotação do ferry e o alto nível das águas, explicou à agência France-Presse (AFP) um responsável pelos serviços de segurança em Mossul.

As famílias atravessavam o rio para se dirigirem a parques onde tradicionalmente se fazem os piqueniques que assinalam o Noruz, dia feriado no Iraque.

O primeiro-ministro, Adel Abdel Mahdi, anunciou o alerta de todos os serviços de saúde e a mobilização de todas as equipas disponíveis em Mossul para as buscas.

Pediu ainda "um relatório de inquérito em 24 horas para determinar as responsabilidades".

A televisão iraquiana divulgou, entretanto, que um tribunal em Mossul deteve nove pessoas que trabalhavam na embarcação e emitiu um mandado de detenção visando o dono da ilha turística onde o ferry ia atracar.

O último naufrágio deste tipo no Iraque ocorreu em março de 2013, quando um barco restaurante foi ao fundo também no Tigre, mas junto à capital, Bagdad, causando cinco mortos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.