Obama critica "erro grave" de Trump

O antigo Presidente Barack Obama qualificou hoje de "erro grave" a decisão de Donald Trump de retirar os Estados Unidos do acordo sobre o nuclear iraniano, considerando que pode prejudicar a credibilidade dos EUA no mundo.

"Penso que a decisão de colocar [o acordo] em risco sem qualquer violação do acordo pelos iranianos é um erro grave", indicou o ex-Presidente dos EUA, numa declaração feita num tom particularmente firme.

Sem este acordo, assinado em 2015 após perto de dois anos de negociações internacionais, "os Estados Unidos poderão no final encontrar-se perante uma escolha perdedora entre um Irão com a arma nuclear ou uma outra guerra no Médio Oriente", alertou.

"A realidade é clara", insistiu, o acordo, que é "um modelo do que a diplomacia pode conseguir", funciona e "é no interesse da América", disse, lamentando uma decisão que significa virar as costas aos "mais próximos aliados da América".

O acordo foi assinado entre o Irão e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (além dos Estados Unidos, o Reino Unido, a França, a Rússia e a China) mais a Alemanha.

"Numa democracia, haverá sempre mudanças de políticas e de prioridades de uma administração para outra (...) Mas desrespeitar de modo sistemático os acordos do qual o nosso país é parte pode corroer a credibilidade da América", adiantou Obama.

O ex-presidente defende ainda que os debates nos Estados Unidos se "deviam basear nos factos".

Donald Trump anunciou o restabelecimento das sanções contra a República Islâmica que tinham sido levantadas como contrapartida do compromisso do Irão de que o seu programa nuclear tem fins pacíficos.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.