Nova Zelândia. "O racismo existe, mas não é bem-vindo aqui"

Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia, discursou perante 20 mil pessoas na homenagem às vítimas do ataque terrorista a uma mesquita e a um centro islâmico de Christchurch.

Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia, homenageou esta sexta-feira as 50 vítimas mortais do atentado terrorista a uma mesquita e a um centro islâmico, em Christchurch, perpetrado por um australiano de extrema-direita no dia 15 de março.

A cerimónia, que decorreu no Parque Hagley perante cerca de 20 mil pessoas, contou com a presença de vários chefe de Estado de países do Pacífico, entre os quais Scott Morrison, primeiro-ministro australiano. Com uma capa maori pelas costas, Jacinda Ardern foi muito aplaudida no seu discurso em que apelou ao fim dos sentimentos extremistas. "O mundo tem estado preso a um ciclo vicioso de extremismo que gera mais extremismo e isso deve acabar", começou por dizer.

"Não podemos enfrentar este tipo de problemas sozinhos. A resposta está na nossa humanidade, mas por enquanto vamos recordar as lágrimas da nossa nação e da forma determinada como reagimos. Cada um tem o poder de curar através das nossas palavras, ações e atos diários de bondade. Que seja esse o legado do dia 15 de março", acrescentou a primeira-ministra neozelandesa, lembrando que cada um dos cidadãos do país que lidera tem "a responsabilidade de construir o lugar que quer ter".

"Este lugar é diverso, acolhedor, gentil e compassivo. Esses valores representam o melhor de nós. Mas até os maiores vírus podem existir em lugares onde não são bem-vindos. O racismo existe, mas não é bem-vindo aqui", finalizou, debaixo dos aplausos da multidão que quis homenagear as vítimas numa cerimónia transmitida para todo o país.

Farid Ahmed, um dos sobreviventes do ataque que perdeu a mulher Husana, foi questionado sobre se tinha perdoado o autor do ataque. "Alá ama aqueles que controlam sua ira e perdoam seus parceiros humanos", começou por dizer, aproveitando para agradecer aos neozelandeses "por mostrarem ao mundo que a Nova Zelândia é um país pacífico".

Por sua vez, a autarca de Christchurch, Lianne Dalziel, garantiu que os habitantes daquela cidade "não serão definidos pelo que aconteceu no dia 15 de março".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.