Espanha. Negociações entre Sánchez e Iglesias fracassaram

O socialista telefonou ao líder da Unidas Podemos para rejeitar as pretensões para formarem um governo de coligação.

O governo espanhol deu por terminadas as negociações com a Unidas Podemos, ao concluir que as exigências do partido de Pablo Iglesias são "inaceitáveis". Os socialistas consideram que se cedessem iriam criar dois governos e que o essencial das políticas sociais e económicas ficaria nas mãos do partido menos votado.

Pedro Sánchez telefonou a Pablo Iglesias e confirmou-lhe que não está disposto a oferecer as pastas do Trabalho, Finanças, Transição Energética ou Igualdade. E também terá dito que "é a sua última palavra". Sánchez voltou a reiterar a necessidade de desbloquear a situação. "Do PSOE continuamos a defender que a oferta feita à Unidas Podemos é uma boa oferta", disse uma fonte socialista ao El Confidencial, sem no entanto explicar o conteúdo da dita.

Além das pastas mencionadas, a Unidas Podemos exigiu, em documento publicado pelo PSOE, um cargo na área da justiça fiscal e na luta contra a fraude, outra na ciência, inovação, ensino superior e economia digital, e de um vice-primeiro-ministro responsável pela coordenação dos cinco ministérios que pretendia dirigir.

Na terça-feira, a primeira tentativa de Pedro Sánchez ser investido primeiro-ministro no Parlamento redundou em fracasso, ao obter só os votos favoráveis da sua bancada e de um deputado do Partido Regionalista da Cantábria, ou seja, 124 votos, quando necessita de 176 votos. A Unidas Podemos absteve-se. A segunda votação deverá decorrer a partir das 14.25 de quinta-feira.

Exclusivos