Negociação do brexit começou com "o pé direito" e presentes

Reino Unido parece ter cedido na urgência de negociar acordo comercial com a UE. Direitos dos cidadãos são prioridade

A dias do primeiro aniversário do referendo que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia, tiveram ontem início as negociações que irão ditar os termos do brexit. Num clima descontraído, onde até houve troca de presentes, Michel Barnier e David Davis, os líderes das equipas de negociações, estabeleceram prioridades e o calendário dos próximos encontros, com o francês a lembrar que o tempo está a passar e o britânico a mostrar-se otimista com o resultado final.

"Esta primeira sessão foi útil para começar com o pé direito, tendo em conta que o tempo está a passar", afirmou Michel Barnier, o francês que lidera a equipa de negociações da União Europeia, no final da sessão de trabalho de ontem, acrescentando que uma saída tranquila e ordenada é essencial para as duas partes. "É possível um acordo justo para a União Europeia e o Reino Unido, muito melhor do que acordo nenhum. Foi o que eu disse hoje ao David. É por isso que iremos trabalhar sempre com o Reino Unido e nunca contra o Reino Unido. Não haverá hostilidade da minha parte. Vou mostrar uma atitude construtiva com base nos interesses e no apoio dos 27", afirmou Barnier.

O francês citou ainda o fundador do bloco que deu origem à União Europeia, o seu compatriota Jean Monet: "Não estou otimista, nem pessimista. Estou determinado".

David Davis, o chefe da delegação britânica, seguiu o mesmo tom, citando Winston Churchill. "O pessimista vê dificuldades em cada oportunidade, o otimista vê oportunidades em cada dificuldade. Assim, juntando Churchill e Monet, sou certamente um otimista determinado", sublinhou o britânico.

Davis deixou ainda claro que o resultado das legislativas britânicas, que tiraram a maioria ao governo de Theresa May, não fez mudar a posição do Reino Unido em relação ao brexit, e que o país vai procurar abandonar o mercado único e a união aduaneira, desenhando, em separado, um acordo comercial.

Os dois responsáveis adiantaram ter discutido durante bastante tempo a questão da Irlanda do Norte, onde todos os partidos procuram manter a fronteira aberta com a República da Irlanda.

A sessão de ontem serviu para preparar os passos seguintes das negociações, estando já marcados os próximos encontros - que terão o francês e o inglês como línguas de trabalho : 17 de julho, 28 de agosto, 18 de setembro e 9 de outubro.

O documento de duas páginas ontem divulgado mostra ainda que o Reino Unido parece ter já cedido numa questão. Londres defendeu desde o início a prioridade de estabelecer um acordo comercial bilateral - Davis falou ontem neste tema -, mas no plano de negociações até outubro os temas em cima da mesa serão os direitos dos cidadãos, os termos financeiros do brexit e outros temas da separação. Em paralelo, pode ler-se no mesmo documento, foi lançado um diálogo sobre a relação entre a Irlanda e a Irlanda do Norte.

Livros e bolos

Barnier gosta de caminhadas, paixão que partilha com Theresa May, enquanto que Davis é adepto de escalada e montanhismo. E os presentes que trocaram ontem são um reflexo dos seus gostos pessoais: o britânico ofereceu a Barnier uma primeira edição da versão em francês de Regards vers l"Annapurna, uma das grandes obras sobre montanhismo; o francês retribuiu, presenteando Davis com um bastão de caminhada em madeira de Savoie, a sua terra natal, esculpido à mão com uma alça em pele.

De seguida, e antes do início formal dos trabalhos, os dois tiveram um almoço, composto por espargos belgas com vinagrete, salmonetes vermelhos com vegetais e batatas fondant, bolo vacherin com morangos silvestres, café moca e bolos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG