Navio humanitário Ocean Viking vai atracar na terça-feira em porto italiano

O navio Ocean Viking, com 182 migrantes a bordo, chega na terça-feira ao porto de Messina, na Sicília, após a autorização das autoridades italianas, que não impuseram condições de realocação dos migrantes em outros países, como já aconteceu no passado.

Os media italianos, citando fontes da polícia e da delegação do governo, explicaram que o Ocean Viking -- das organizações não-governamentais (ONG) SOS Méditerranée e Médicos sem Fronteiras (MSF) - só atracará na terça-feira no porto de Messina devido ao mau tempo.

Ao porto de Messina não chegam migrantes desde a aplicação da política de portos encerrados do anterior Governo italiano, mas no passado era um dos lugares predispostos à sua acolhida. Existem 182 migrantes no navio, resgatados em duas operações realizadas nos dias 17 e 18 de setembro, incluindo 14 menores e um bebé de 10 dias.

Esta é a primeira autorização de desembarque (de um navio humanitário com migrantes) sem condições aprovada pelo novo Governo de coligação italiano, entre o Movimento 5 Estrelas (M5S) e o Partido Democrata (PD), após o colapso da coligação do M5S com a Liga, partido do ex-ministro do Interior, Matteo Salvini.

Em agosto, o Ocean Viking esteve duas semanas no Mediterrâneo com 356 migrantes a bordo, resgatados em várias operações até que seis países, incluindo Portugal, concordaram com o desembarque e respetivo acolhimento. Na altura, a Médicos Sem Fronteiras pediu aos países da União Europeia para estabelecerem um mecanismo permanente de resgate dos migrantes que navegam no Mediterrâneo para que se evitem pactos pontuais para cada situação.

A 14 de setembro a organização conseguiu que 82 migrantes que estavam a bordo do navio humanitário pudessem desembarcar em Lampedusa, ainda que o centro de acolhimento nesta pequena ilha italiana esteja à beira do colapso. Atualmente abriga cerca de 300 migrantes, quando tem capacidades para cerca de 90, asseguram os meios de comunicação italianos.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.