Navio de pesca espanhol parado no Mediterrâneo com 12 migrantes a bordo

Itália e Malta recusam a entrada dos migrantes. Os serviços de resgate marítimo espanhóis indicam que a única possibilidade é deixar os migrantes na Líbia.

O capitão de um pesqueiro espanhol afirmou que o navio está "preso no mar" Mediterrâneo há quase uma semana depois de ter resgatado 12 migrantes de um barco insuflável proveniente da Líbia.

"Estamos presos no mar, não podemos ir a lado nenhum", disse na terça-feira Pascual Durá. Itália e Malta já recusaram a entrada dos migrantes.

Desde quinta-feira passada que 13 tripulantes dividem o "Nuestra Madre Loreto" com 12 migrantes oriundos do Níger, Somália, Sudão, Senegal e Egito.

Os serviços de resgate marítimo espanhóis, com os quais o pesqueiro está em contacto, ofereceram apenas a possibilidade de deixar os migrantes na Líbia, explicou Durá.

"Se formos até à Líbia, arriscamos um motim", disse o capitão, acrescentando: "Assim que ouvem a palavra 'Líbia', [os migrantes] ficam nervosos e histéricos".

"Não queremos mandar esta pobre gente de volta para a Líbia. Depois do que fizeram para vir para cá, não queremos mandá-los de volta para o lugar do qual fugiram", afirmou.

O capitão garantiu ainda só terem mantimentos para seis ou sete dias, antes de uma tempestade que se aproxima.

Mais de 106.000 migrantes chegaram à Europa por via marítima desde o início do ano, segundo a Organização Internacional para as Migrações, que registou 2.119 mortes durante este período.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.