Navio britânico capturado: "Se obedecerem ficarão em segurança"

Comunicações de rádio entre embarcações do Irão e do Reino Unido mostram a tensão antes da captura do petroleiro Stena Impero. Irão revela imagens do ataque de sexta-feira ao navio britânico.

A BBC teve acesso às gravações das comunicações de rádio entre uma embarcação do exército iraniano e o que se acredita ser o petroleiro Stena Impero, pedindo-lhe para alterar a sua rota: "Se obedecerem ficarão em segurança", ameaça. Depois, um navio da Royal Navy que patrulhava a zona é avisado de que forças armadas iranianas querem inspecionar o petroleiro por "motivos de segurança". Mas, aparentemente, já era demasiado tarde para impedir a ação iraniana.

Entretanto, a Guarda Revolucionária do Irão divulgou um vídeo que aparentemente mostra o momento em que os militares, de caras tapadas, tomaram o petroleiro:

O petroleiro Stena Impero foi confiscado na sexta-feira no estreito de Ormuz pelo Irão, alegando que a embarcação tinha desrespeitado o código marítimo internacional e os pedidos da autoridade portuária e marítima da província de Hormozgan. O petroleiro britânico e os seus 23 tripulantes encontram-se no porto de Bandar Abbas enquanto se desenrola uma investigação pela suposta infração das normas de navegação.

Alahmorad Afifipur, diretor da Organização de Portos e Navegação da província de Hormozgan, justificou o arresto dizendo que "o petroleiro chocou com um barco de pesca durante a sua rota e depois desse incidente era necessário perceber os motivos". Este domingo, o mesmo responsável portuário disse, citado pela AFP, que a rapidez da investigação sobre o incidente "dependerá da cooperação da tripulação" e do acesso das autoridades "às provas necessárias para examinar o assunto". E garantiu que os tripulantes se encontram "a salvo" e "de boa saúde".

Nenhum dos 23 tripulantes do navio tem nacionalidade britânica, sendo a tripulação composta por pessoas da Índia, Rússia, Letónia e Filipinas.

Tensão entre o Reino Unido e o irão

Desde sexta-feira, o Reino Unido está a tentar resolver a situação por meios diplomáticos, mas a tensão tem-se vindo a agravar. Logo de seguida, outro navio britânico esteve detido durante algumas horas. Tudo isto aconteceu no mesmo dia em que as autoridades britânicas de Gibraltar anunciaram o prolongamento por mais 30 dias do arresto do petroleiro iraniano Grace I - o navio foi apreendido no início de junho pelos royal marines ao largo de Gibraltar. Os britânicos alegaram que o navio transportava crude para a Síria, violando o embargo imposto pela União Europeia.

Já este domingo, o ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, Jeremy Hunt, garantiu que na segunda-feira os deputados serão informados das "medidas" que o governo tomará em relação a este caso. E o ministro da Defesa, Tobias Ellwood, afirmou que estão a ser consideradas quais as sanções a aplicar ao Irão.

Numa mensagem publicada no sábado na rede social Twitter, o ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Mohamad Javad Zarif, exigiu ao Reino Unido que deixe de ser "cúmplice" das sanções dos Estados Unidos contra o Irão:

Também no Twiter, o embaixador do Irão em Londres, Hamid Baedinejad, reagiu alertando para o risco de esta tensão entre os dois países se alastrar para além da "crise dos navios": "Isto é bastante perigoso e imprudente num momento delicado na região. No entanto, o Irão está firme e pronto para diferentes cenários", escreveu.

Em declarações à Sky News, Tobias Elwood rejeitou a hipótese de o Reino Unido ter desleixado a segurança das suas embarcações na região: "Simplesmente, é impossível escoltar individualmente cada uma das embarcações", explicou. E concluiu: "A nossa primeira e mais importante responsabilidade é garantir uma solução para a situação do navio atual, garantir que os outros navios de bandeira britânica estão seguros a operar nessas águas e, só depois, olhar para o contexto mais geral do relacionamento com o Irão".

Parlamento iraniano apoia captura do petroleiro

O parlamento iraniano deu o seu apoio à captura do petroleiro britânico Stena Impero por parte dos Guardas da Revolução. "Os britânicos cometeram pirataria e nós respondemos", disse o presidente do parlamento iraniano, Ali Larijani, citado pela agência Efe, durante a sessão aberta deste domingo.

Para além desta declaração, os deputados elaboraram um comunicado de apoio e agradecimento à ação dos Guardas da Revolução no estreito de Ormuz, que até agora foi assinado por 160 parlamentares.

Um membro da comissão de Energia do parlamento, Jalal Mirzaei, disse que espera que "o ato do Corpo dos Guardas da Revolução tenha transmitido a mensagem aos britânicos de que não podem atuar contra as normas internacionais". Mirzaei criticou, citado pela agência universitária iraniana ISNA, que o Reino Unido atuou "seguindo a política dos Estados Unidos" e que por isso deteve em Gibraltar no início do mês o petroleiro iraniano Grace 1 por suspeitar de que transportava crude para a Síria, cujo regime está debaixo de sanções da União Europeia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG