NATO acompanha suspeitas sobre Huawei e admite atuar

Jens Stoltenberg, secretário-geral da NATO, admitiu que a situação da Huawei é preocupante e que está a "procurar formas" da NATO intervir caso seja necessário.

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse esta quinta-feira estar a ponderar eventuais ações sobre a empresa de telecomunicações chinesa Huawei, tendo em conta as preocupações de segurança.

Stoltenberg disse que alguns dos 29 países aliados da organização demonstraram preocupações sobre a Huawei, numa altura em que a empresa se prepara para investir em novas infraestruturas de nova geração (5G).

"A NATO encara estas preocupações de forma muito séria", disse Stoltenberg. O secretário-geral da Aliança Atlântica diz que vai continuar a acompanhar as consultas dos vários aliados e "a procurar a forma" como a NATO pode eventualmente intervir não fornecendo mais detalhes sobre decisões.

O gigante de telecomunicações chinês tem negado as acusações dos Estados Unidos, membro da NATO, que suspeitam que a Huawei permite aos serviços secretos da República Popular da China acesso a dados e informações dos utilizadores.

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras