Jeff Bezos não é o único. Outros badalados divórcios milionários

Madonna e Harrison Ford, Rupert Murdoch e Michael Jordan. Houve quem se tivesse arrependido em minutos e quem se casasse de novo 17 dias após a separação. Dos milhões é que não houve quem abdicasse.

Jeff Bezos, fundador e CEO da Amazon, anunciou esta quarta-feira que se iria divorciar da mulher, MacKenzie Bezos. O homem mais rico do mundo poderá acabar na lista dos que mais pagaram para acabar um casamento. Bezos, de 55 anos, tem uma fortuna avaliada em 135 mil milhões de dólares (mais de 117 mil milhões de euros) e poderá ter de dar metade a MacKenzie, de 48 anos. Entra para uma lista onde estão nomes como Mel Gibson, Madonna, Tiger Woods ou Harrison Ford.

Mel Gibson e Robyn Moore

O casal separou-se em 2006 e o divórcio custou ao ator e realizador 426 milhões de dólares. O acordo representou metade da fortura que Gibson tinha na altura em que decidiu terminar o casamento.

Bernie Ecclestone e Slavica Radić

Foi em 2009 que o executivo da Fórmula 1 e a manequim saltaram para a lista dos divórcios mais caros de sempre: 1,2 mil milhões de dólares foi quanto valeu esta separação. No entanto, e apesar dos termos do acordo não terem ficado muito claros, parece que ao contrário do que é habitual foi a manequim a ter de desembolsar a quantia, assim conta a Business Insider.

Rupert Murdoch e Anna Torv

O magnata dos media foi obrigado a pagar 1,7 mil milhões de dólares, em 1999, à jornalista Anna Torv com quem esteve casado 31 anos. O casal teve três filhos. Depois, Murdoch ainda casou com Wendi Deng - apenas 17 dias após a assinatura do divórcio - e Torv esperou seis meses para fazer o mesmo: voltou a casar-se.

Madonna e Guy Ritchie

Um valor entre os 76 e os 92 milhões, terá sido este o valor acordado entre Madonna e o realizador. Foi um dos divórcios mais caros de sempre. O casal esteve junto oito anos.

Harrison Ford e Melissa Mathison

O valor não é certo, mas sabe-se que ficou entre os 85 e os 118 milhões. Ford divorciou-se da escritora Melissa Mathison depois de 17 anos de união. O casal conhecera-se durante as filmagens de "Apocalypse Now", em 1979. Como não tinham celebrado um acordo pré-nupcial demoraram três anos até chegarem a um consenso no valor.

Tiger Woods e Elin Nordegren

Foi um dos divórcios mais mediáticos e custou ao tenista 110 milhões de dólares. O casal separou-se em 2009 depois de seis anos de casamento.

Michael e Juanita Jordan

O jogador estava na sua segunda temporada nos Chicago Bulls quando casou com a namorada. Foi em 1989 e o casamento foi uma cerimónia simples em Las Vegas.

Depois de 17 anos e três filhos em conjunto, chegou ao fim o casamento e Juanita recebeu 168 milhões de dólares. Apesar de ter anunciado a separação, o casal decidiu tentar de novo em 2002, mas quatro anos depois percebeu que o afastamento era a melhor opção. De acordo com a imprensa, o ex-casal assinou o divórcio e foi assistir a um jogo de basquetebol do filho. Terão ficado amigos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...