Mulheres sírias obrigadas a trocar sexo por alimentos

"Em algum momento, houve uma decisão que permite que os corpos das mulheres continuem a ser usados, abusados e violados para que a ajuda humanitária seja entregue a um grupo maior de pessoas", acusa conselheira humanitária

As mulheres na Síria estão a ser exploradas sexualmente em troca de bens provenientes de ajudas humanitárias. Os abusos foram reportados há três anos, mas um novo relatório dá conta que continuam a acontecer, com homens a exigirem favores sexuais em troca de alimentos e até de boleias.

A notícia é avançada pela BBC e refere que a ONU e outras organizações de ajuda humanitária têm conhecimento da situação mas que nada fizeram ou fazem para travar os abusos, com a agravante de que as mulheres se recusam a deslocarem-se a centros de distribuição de alimentos com receio de serem estigmatizadas. Os abusos são tão constantes que elas sabem que serão acusadas de terem conseguido os alimentos em troca de sexo.

Um funcionário de uma das organizações que presta ajuda na Síria revelou à BBC que algumas agências humanitárias não reportam os abusos, uma vez que dependem desses homens para chegarem a zonas perigosas do país.

O relatório do Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP) que concluiu que a assistência humanitária está a ser trocada por sexo em várias zonas da Síria intitula-se "Vozes da Síria 2018". Refere que existem até adolescentes e mulheres que casam com funcionários por um curto período de tempo em troca de " serviços sexuais " para que possam receber refeições. As mais vulneráveis são as "mulheres e meninas sem protetores masculinos, como viúvas e divorciadas, bem como mulheres deslocadas".

Esta exploração foi relatada pela primeira vez há três anos. Danielle Spencer, conselheira humanitária que trabalha para uma instituição de caridade, ouviu falar dos abusos sexuais num campo de refugiados na Jordânia em 2015.

"Lembro-me de uma mulher que chorava no quarto e estava muito chateada com o que acontecera. Mulheres e meninas têm de ser protegidas quando tentam receber comida e sabão e itens básicos para viver", disse a responsável, citada pela BBC.

Spencer afirma que as organizações humanitárias têm fechado os olhos aos casos de violência sexual contra as mulheres para garantir que a ajuda chegue a regiões do sul da Síria. "Em algum momento, houve uma decisão que permite que os corpos das mulheres continuem a ser usados, abusados e violados para que a ajuda humanitária seja entregue a um grupo maior de pessoas", disse Danielle Spencer.

Segundo a BBC, os dois relatórios que referem os abusos foram apresentados e debatidos durante um encontro entre agências da ONU e organizações internacionais de caridade em julho de 2015, numa reunião organizada pela UNFPA na capital jordana, Amã, que levou alguns dos grupos de ajuda humanitária a reforçarem os seus procedimentos de distribuição de ajuda.

Uma outra fonte, citada pela BBC, que esteve presente no encontro em representação de uma das agências da ONU, garante que houve "relatos credíveis sobre exploração sexual e abusos durante a distribuição de ajuda transfronteiriça e a ONU pouco ou nada fez para dar resposta a isto ou para pôr fim".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...