Mais uma morte no Grand Canyon. É a segunda neste mês

Uma mulher de 70 anos morreu ao cair de um precipício no Grand Canyon, nos Estados Unidos, a segunda pessoa a morrer naquele parque nacional do Arizona desde o início do mês, anunciaram as autoridades.

De acordo com o porta-voz do Grand Canyon John Quinley, a visitante terá caído de uma altura de 61 metros, quando caminhava na Margem Sul do parque, o segundo mais visitado nos Estados Unidos, com 6,38 milhões em 2018.

Os guardas do parque norte-americano chegaram a receber um alerta pelas 13:00 (21:00 em Lisboa) de terça-feira, mas as circunstâncias do pedido de ajuda "não foram claras", indicou o porta-voz.

"Ela caiu antes que pudéssemos dar início ao resgate", disse Quinley. A identidade da vítima ainda não é conhecida.

As autoridades já informaram que vão investigar as circunstâncias da morte, numa altura em que estão em curso investigações sobre a morte de três pessoas desde o dia 26 de março, duas das quais ocorreram fora dos limites do parque.

Em 03 de abril, um norte-americano de 67 anos morreu depois de cair de uma altura de 122 metros, tendo sido necessário um helicóptero para realizar a operação de resgate.

Dias antes, em 26 de março, foi encontrado o corpo de um cidadão japonês numa área arborizada. E, dois dias depois, um homem de 50 anos de idade, de Macau, morreu quando escorregou num miradouro com vista para a reserva indígena Hualapai, enquanto tirava fotos.

Todos os anos, cerca de seis pessoas morrem no Grand Canyon, principalmente por desidratação ou insolação. As mortes devido a quedas resumem-se a duas ou três por ano.

Exclusivos