Sindicato espanhol avisa que protestos podem estender-se à Europa se houver "represálias"

António Escobar adiantou que dos 1800 trabalhadores da empresa em Espanha pode ter havido um "máximo teórico de 28" que aceitaram trabalhar para substituir os seus colegas, o que considerou "irrisório"

O sindicato espanhol de tripulantes de cabine avisou, esta segunda-feira, que o movimento de protestos pode alargar-se a outros países se a Ryanair avançar com "represálias" sobre os trabalhadores das bases europeias que se recusaram a substituir grevistas portugueses.

"Há um alto fator de possibilidade de o movimento se alargar a outros países no caso de a Ryanair fazer represálias contra os trabalhadores de outras bases que se recusaram a substituir os portugueses", disse à agência Lusa Antonio Escobar, responsável para as Relações Externas do Sindicato Independente de Tripulantes de Cabine de Passageiros de Linhas Aéreas (SITCPLA) de Espanha.

O sindicalista assegurou que a greve dos portugueses está a ser seguida em Espanha com "a maior camaradagem possível", porque "estas práticas de 'gangster' têm de acabar".

Segundo o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) português, a greve de domingo dos tripulantes de cabine da transportadora aérea Ryanair teve uma adesão de 90%, com 27 voos cancelados.

Das 49 saídas previstas foram feitas 15 com tripulação portuguesa (30%), tendo sido cancelados 27 voos (55%).

António Escobar adiantou que dos 1.800 trabalhadores da Ryanair em Espanha pode ter havido um "máximo teórico de 28" que aceitaram trabalhar para substituir os seus colegas portugueses, o que considerou "irrisório".

Em causa, na greve, está o cumprimento de regras previstas na legislação nacional como a parentalidade, garantia de ordenado mínimo, bem como a retirada de processos disciplinares por motivo de baixas médicas ou vendas a bordo abaixo dos objetivos da empresa.

No primeiro dia de paralisação, na passada quinta-feira, o SNPVAC disse que a adesão rondou os 90%.

A empresa admitiu ter recorrido a voluntários e a tripulação estrangeira durante a greve dos tripulantes portugueses, de acordo com um memorando enviado aos trabalhadores, a que a Lusa teve acesso.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.