Morreu Habibie, o presidente indonésio que autorizou o referendo sobre a independência em Timor-Leste

Morreu aos 83 anos num hospital de Jacarta, onde estava internado devido a problemas cardíacos

O antigo presidente da Indonésia Jusuf Habibie, que permitiu o referendo de independência em Timor-Leste e iniciou reformas democráticas após a queda do regime de Suaharto, morreu esta quarta-feira com 83 anos, num hospital de Jacarta, confirmou a família.

Habibie tinha sido internado no início do mês, num hospital militar de Jacarta, na unidade de cuidados intensivos, com problemas cardíacos.

O antigo presidente foi escolhido para liderar a Indonésia depois da queda do regime do ditador militar Suharto (1967-1998), inaugurando uma série de reformas que conduziram o país à democracia.

Habibie ficou ainda conhecido internacionalmente por ter permitido um referendo que escolheu por larga maioria a independência de Timor-Leste, em 1999, num sufrágio livre e democrático, apesar de a decisão da retirada das tropas indonésias ter conduzido a antiga colónia portuguesa, nesse mesmo ano, a uma crise política e social, na antecâmara de se proclamar um Estado independente.

Promoveu reformas sociais, políticas e económicas na Indonésia

Habibie nasceu na cidade de Parepare, na ilha de Celebes, e foi o terceiro presidente desde a independência da Indonésia (1945), substituindo Suharto e promovendo reformas sociais, políticas e económicas que abriram o caminho para a recuperação após a crise financeira asiática de 1997.

O presidente Habibie, que Suharto tinha nomeado vice-presidente dois meses antes de sua queda, fez profundas alterações na elite política indonésia, para tentar travar a turbulência dos últimos anos do regime ditatorial.

Engenheiro aeronáutico com mais de 40 patentes registadas, Habibie emigrou para a Alemanha aos 19 anos, onde 10 anos depois completou um doutoramento em engenharia e trabalhou para a empresa aeroespacial alemã Messerschmitt-Bolkow-Blohm (MBB), que fazia parte do consórcio da Airbus.

A carreira política de Habibie começou em 1974, como consultor de Suharto, amigo de família desde a década de 1950, tendo em 1978 renunciado ao seu emprego na Alemanha e aceitado o cargo de ministro da Tecnologia e Investigação, lançando vários projetos para aumentar a capacidade tecnológica da Indonésia.

Em 1990, quando Suharto começou a abrandar a sua política repressiva e a aproximar-se do Islão, Habibie fundou a Associação Indonésia de Muçulmanos Intelectuais, num país onde 88% dos 265 milhões de habitantes eram muçulmanos.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.