Morreu condutor de autocarro atacado por impedir entrada de passageiros sem máscara

O condutor tinha 59 anos e estava em morte cerebral pelo ataque de que foi vítima do passado domingo. A polícia já prendeu os suspeitos do ataque.

Morreu esta sexta-feira, ao final do dia, o condutor de autocarro que foi agredido brutalmente por um grupo de pessoas por tê-las impedido de entrar sem máscara no seu autocarro.

O ataque decorreu no passado domingo à noite, em Bayonne, França. Segundo a polícia francesa, o condutor de 59 anos, com dois filhos, foi agredido "severamente", golpeado e gravemente ferido na cabeça.

De acordo com o jornal espanhol La Vanguardia, os suspeitos do ataque, dois jovens entre os 22 e 23 anos, estão detidos pela polícia.

"Houve insultos e depois empurrões. O motorista foi empurrado para fora do autocarro. Violentamente, dois indivíduos deram-lhe pontapés e socos na parte superior do corpo, incluindo a cabeça", disse o procurador assistente Marc Marieeele, em conferência de imprensa, referindo-se a um ataque "extremamente violento".

A morte do condutor suscitou várias reações políticas, nomeadamente da direita francesa que pediu "as sanções mais severas". O condutor estava inconsciente quando foi levado ao hospital, e os médicos declararam a morte cerebral na passada segunda-feira, disse a fonte da polícia.

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, recordou o condutor "covardemente atacado" de noite e assegurou na sua conta de Twitter, que a justiça "irá castigar os autores deste crime desprezível".

Na passada segunda-feira, um dia depois do ataque, vários colegas do motorista recusaram-se a trabalhar em protesto contra o ataque brutal e exigiram condições de segurança reforçadas.

As máscaras de proteção individual continuam a ser obrigatórias nos transportes públicos franceses para travar a propagação do novo coronavírus, que já matou quase 30 miil pessoas em França.

A família do motorista organizou uma marcha silenciosa em sua homenagem na passada quarta-feira, partindo do local onde ocorreu o ataque.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG