Morreu Amal, de 7 anos, faminta, vítima da guerra no Iémen

Fotografia publicada no New York Times correu mundo na semana passada. Mas a menina não resistiu à fome. "O meu coração está partido", disse a mãe

É mais uma foto que não devia existir, daquelas que corre mundo e sobressalta esse mundo por instantes. Breves instantes em que se fixa aquele olhar assombrado: Amal Hussain, 7 anos, o corpo magríssimo de fome, deitada em silêncio na cama de um hospital no norte do Iémen, numa fotografia publicada pelo diário americano The New York Times .

A família de Amal anunciou que a menina morreu num acampamento de refugiados, onde, retrata o New York Times, o cheiro é nauseabundo. O acampamento fica a seis quilómetros do hospital. "O meu coração está partido", disse a mãe, Mariam Ali, que chorou durante a entrevista por telefone. "Amal estava sempre a sorrir. Agora estou preocupada com os meus outros filhos."

A publicação do retrato da menina faminta (revelada no jornal na semana passada) atraiu uma resposta apaixonada dos leitores do jornal americano, que expressaram desgosto. Descreve a publicação que houve quem oferecesse dinheiro para a sua família e quem escrevesse a perguntar se Amal estava melhor. Não estava.

O Iémen vive atolado numa guerra sectária entre houthis e salafistas, na qual a vizinha Arábia Saudita toma papel ativo a bombardear posições de rebeldes houthis no Norte do país. E com inevitáveis danos colaterais documentados na população. Amal é apenas mais uma vítima de uma guerra sem fim à vista.

Imagens muito fortes de iemenitas subnutridos como Amal - uma das 1,8 milhões de crianças iemenitas gravemente subnutridas - deram um rosto humano perante os temores de que uma catastrófica fome provocada pela guerra possa submergir o país nos próximos meses.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.