Gorongosa vota pela primeira vez sem Dhlakama

Nome do ex-líder da Renamo, que morreu em maio aos 85 anos, continua presente nas conversas neste bastião da oposição. Moçambicanos votam na próxima quarta-feira, dia 10, em eleições autárquicas

Os partidos em campanha na Gorongosa, Moçambique, consideram que a morte de Dhlakama não vai influenciar as eleições autárquicas de quarta-feira, mas o nome do ex-líder da Renamo continua presente nas conversas naquele bastião da oposição.

Estas são as primeiras eleições em Moçambique sem Afonso Dhlakama, ex-líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), que morreu devido a complicações de saúde, a 3 de maio, aos 65 anos, na serra da Gorongosa, seu local de refúgio.

O cabeça-de-lista da Renamo, Alfredo Magaço, refere que aqueles que ficaram vão dar continuidade à estratégia do partido, vincando que a morte de Afonso Dhlakama "não paralisou, nem fragilizou" aquela força política.

"Dhlakama foi presidente do partido e deixou-nos os seus ideais. O fato de ele morrer não significa que o partido deve morrer, porque se assim fosse os outros partidos deviam estar mortos", contou o dirigente, à Lusa.

"Não é por causa da morte dele que vamos deixar de aderir à Renamo", acrescenta Alfredo Magaço. Pelo contrário, diz ainda o cabeça-de-lista que acha que, hoje, a população tem maior motivação para levar o principal partido da oposição ao poder naquela autarquia.

Por sua vez, Alicha Sabite, cabeça-de-lista da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), pensa que a morte de Afonso Dhlakama não vai exercer influência na participação e no sentido de voto nas eleições municipais.

"Nós estamos a trabalhar como Frelimo. Na presença de Afonso Dhlakama a Frelimo sempre saiu vitoriosa", diz Alicha Sabite, enquanto faz campanha junto a uma das igrejas da vila da Gorongosa.

Uma vendedora de Inhame, principal mercado da vila, descreve Afonso Dhlakama como "pai e libertador" e "defensor" da população.

Num sorriso envergonhado, a mulher, que veste uma camisa da Frelimo, conta à Lusa que a população pode vingar nas urnas os "sequestros e as mortes" dos seus entes queridos durante as hostilidades militares, que só terminaram em dezembro de 2016.

Dhlakama dirigiu 16 anos de guerra civil (1977-1992) a partir da serra da Gorongosa.

Dez anos depois do Acordo Geral de Paz, em 2012, voltou ali a fixar residência, no centro do país, com visitas curtas à capital, Maputo, para a assinatura de acordos com o ex-presidente Armando Guebuza e Filipe Nyusi.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG