Ministro venezuelano na lista dos fugitivos mais procurados dos EUA

Tareck El Aissam, atual ministro da Indústria e Produção Nacional e ex-vice-presidente de Nicolás Maduro, está na lista dos mais procurados dos serviços de fronteiras dos EUA. É procurado por "narcotráfico" e está numa lista que inclui suspeitos de homicídio ou de pertencer a gangues.

O ministro venezuelano da Indústria e Produção Nacional e antigo vice-presidente, Tareck El Aissami, foi esta quarta-feira incluído na lista dos fugitivos mais procurados pelos serviços de fronteira dos EUA.

"Viu este fugitivo? Ele é procurado por tráfico de droga internacional", escreveu o ICE (sigla em inglês dos Serviços de Imigração e Fiscalização Aduaneira dos EUA) no Twitter.

As autoridades norte-americanas lembram que, desde fevereiro de 2017, que El Aissami é considerado como um "narcotraficante" pelo Departamento do Tesouro, suspeito de desempenhar um papel significativo no tráfico de droga internacional.

Ex-ministro do Interior e da Justiça (2008 a 2012) de Hugo Chávez e governador do estado de Arágua (2012 a 2017), El Aissami foi nomeado vice-presidente por Nicolás Maduro em janeiro de 2017. Um cargo que ocupou até junho de 2018, quando foi nomeado ministro para a Indústria e Produção Nacional.

Segundo o ICE, "facilitou o envio de drogas da Venezuela", através do controlo sobre aviões que saíam de uma base aérea do país e das rotas de tráfico que passavam por portos na Venezuela. "Nos seus cargos anteriores, ele supervisionou ou era parcialmente dono de carregamentos de mais de mil quilos de drogas da Venezuela em várias ocasiões, incluindo aqueles com destino final o México e os EUA".

A lista dos mais procurados do ICE inclui ainda o seu "co-conspirador", o também venezuelano Samark Jose Lopez, que terá "providenciado assistência material e financeira às atividades de narcotráfico" de Tareck El Aissami, mas também membros de gangues, suspeitos de homicídios e de tráfico humano.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.