Militar canadiana é a primeira mulher a comandar a Guarda da Rainha

Megan Couto fez história no Reino Unido

A capitã Megan Couto é a primeira mulher a comandar as tropas que protegem a rainha da Inglaterra. Couto liderou esta segunda-feira de manhã um batalhão de soldados canadianos durante a tradicional cerimónia do render da Guarda Real no Palácio de Buckingham.

"Estou apenas concentrada em fazer o meu trabalho o melhor possível e manter-me humilde", disse Couto antes da cerimónia, citada pelo The Guardian. "Qualquer um dos meus colegas ficaria absolutamente encantado por ser o capitão da Guarda da Rainha e eu sinto-me igualmente honrada".

A guarda canadiana marchou ao som das músicas Hallelujah, de Leonard Cohen, e de Hockey Night in Canada, tocadas pela banda da artilharia real canadiana.

A cerimónia do render da Guarda foi filmada e partilhada nas redes sociais pela página oficial da Família Real.

"É só mais um dia no trabalho, mas é um dia muito especial para mim", disse Couto, segundo o Canadian Broadcasting Corporation.

Coute é a segunda no comando do Segundo Batalhão de Infantaria Canadiano Princesa Patrícia, que foi convidado para o Reino Unido para celebrar o 150º aniversário do Canadá. A militar liderou a cerimónia pois o primeiro em comando, o capitão Maj Jay Hudson, já o tinha feito na semana passada.

Esta unidade vai garantir a proteção da rainha Isabel II em algumas datas específicas até dia 3 de julho, por ocasião do aniversário do Canadá. E serão sentinelas no Palácio de Buckingham, palácio de St. James, Torre de Londres e Castelo de Windsor.

As mulheres britânicas estavam proibidas de ocuparem posições no exército que envolvessem combates corpo a corpo até julho do ano passado, por isso nunca uma britânica pôde liderar a Guarda da Rainha. No Canadá, as mulheres podem ocupar todas as posições no exército desde 1989.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG