Milhares nas ruas exigem responsabilidades pelos incêndios na Galiza

Milhares de pessoas marcharam hoje pelas ruas de Santiago de Compostela, em Espanha, protestando contra os incêndios que devastaram a Galiza e exigindo responsabilidades e demissões no governo regional, inclusive a do próprio presidente, ALberto Núnez Feijoo.

De acordo com a agência Efe, a manifestação começou ao meio dia nos arredores da capital galega e percorreu as ruas do centro histórico de Compostela, até chegar à icónica praça da Quintana, onde fica a Catedral, contando com a presença de representantes dos partidos En Marea e BNG.

No fim de semana passado, mais de 250 incêndios florestais deflagraram em diferentes pontos da Galiza, provocando a morte a quatro pessoas e queimando cerca de 35.500 hectares.

No local, os milhares de participantes leram um manifesto em que pediram a retirada da recente "lei da depredação" da Galiza, aprovada esta semana no parlamento com os votos exclusivos do PP.

A Efe refere que esta lei, entre outras medidas, favorece a proliferação de espécies de queima rápida, como o eucalipto.

Durante a marcha, os manifestantes mostraram cartazes onde se lia "A Galiza diz não à lei da depredação, fogos florestais nunca mais!", "Atrás de um incendiário há um empresário" ou "Feijoo renuncia, a Galiza não admite".

O protesto, convocado pela Plataforma Galega contra a Lei da Depredação, destinava-se inicialmente a expressar a rejeição desta nova legislação, mas transformou-se numa crítica à forma como a Junta da Galiza geriu os últimos incêndios.

No domingo passado, o presidente da Junta da Galiza descreveu como complexa a situação naquela região espanhola devido a uma "atividade incendiária homicida", seca persistente e descontrolo dos incêndios em Portugal, que "saltaram o [rio] Minho" pela primeira vez.

Já na segunda-feira milhares de pessoas concentraram-se em vários municípios para protestar contra a gestão da Junta da Galiza, depois de incêndios florestais terem afetado a região e causado a morte de quatro pessoas, manifestando solidariedade com Portugal.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.