Chanceler austríaco contra pedidos de asilo de migrantes em plataformas de desembarque

"Faço parte daqueles que consideram que autorizar os pedidos de asilo [a partir das plataformas] iria criar um fator de atração incrível", declarou o chefe do Governo austríaco

O chanceler austríaco Sebastian Kurz declarou-se hoje contra a possibilidade de pedir asilo na União Europeia (UE) a partir das "plataformas regionais de desembarque" que os dirigentes dos 28 admitem criar fora do continente europeu.

"Faço parte daqueles que consideram que autorizar os pedidos de asilo [a partir das plataformas] iria criar um fator de atração incrível", declarou o chefe do Governo austríaco à rádio Ö1, numa altura em que o país acaba de assumir a presidência semestral da União Europeia.

Kurz acrescentou que a questão suscitou opiniões divergentes na recente cimeira de líderes europeus sobre as migrações.

O chanceler austríaco considera que seria "mais inteligente ir procurar diretamente as pessoas em zonas de guerra, em vez de criar um incentivo para empreender a perigosa travessia do Mediterrâneo"

Na cimeira, que decorreu em plena crise política sobre o futuro do direito de asilo na Europa, os responsáveis dos países da UE concordaram com o aprofundamento do conceito ainda vago das "plataformas regionais de desembarque" de migrantes socorridos em águas internacionais.

O chanceler austríaco considera que seria "mais inteligente ir procurar diretamente as pessoas em zonas de guerra, em vez de criar um incentivo para empreender a perigosa travessia do Mediterrâneo".

O chanceler austríaco espera que seja realizada uma cimeira UE-África até ao final do ano

Outra questão que Kurz colocou é a de saber se "a nível mundial, os 60 milhões de pessoas que estão a fugir dos seus países devem pedir asilo na Europa ou se não podem fazê-lo noutro lugar".

Até agora, nenhum país fora da UE se disponibilizou para acolher as "plataformas regionais de desembarque", cuja implementação levanta muitas dúvidas entre os países europeus e sobre a compatibilidade com o direito internacional.

O chanceler austríaco disse no sábado que seria viável fazer acordos com países africanos para acolher esses locais, esperando que seja realizada uma cimeira UE-África até ao final do ano.

A ideia seria poder determinar nesses locais quem pode, ou não, solicitar asilo, o que o chanceler austríaco agora rejeita, em linha com o programa anti-migrações com que venceu as legislativas de outubro de 2017.

Esta estratégia dura contra a imigração vai dominar a presidência europeia de Kurz, que se congratulou com a "mudança de tendência" que, em sua opinião, representa o plano para endurecer as políticas de asilo na Europa que resultou da cimeira europeia.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.