Michelle, "o lado suave" de Bolsonaro: os vestidos, o discurso em língua gestual e os beijos

Foi a única primeira-dama a discursar numa tomada de posse. E fê-lo de forma única: em língua gestual. É vista por muitos como o único ponto positivo do novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

De vestido rosa de seda cor-de-rosa, Michelle Bolsonaro foi o centro das atenções na tomada de posse do marido, Jair, como presidente do Brasil. A intérprete de língua gestual quebrou o protocolo, tornando-se na primeira primeira-dama a discursar numa cerimónia de tomada de posse. E fê-lo em língua gestual.

Emocionou ministros e agradeceu a solidariedade dos brasileiros. "Agradeço a todos aqueles que demonstraram solidariedade nos momentos difíceis que o meu marido passou." Michelle, de 38 anos, falou apenas com as mãos enquanto ao seu lado uma mulher traduzia o discurso ao microfone. A comunidade surda não podia, por isso, ficar fora do discurso: "Gostaria de modo muito especial de dirigir-me à comunidade surda, pessoas com deficiência e a todos aqueles que se sentem esquecidos. Vocês serão valorizados e terão seus direitos respeitados. Tenho esse chamado no meu coração e desejo contribuir na promoção do ser humano. Agradeço aos intérpretes de Libras do Brasil, que têm feito um trabalho de inclusão tão importante."

Apesar da notoriedade que a quebra de protocolo lhe deu, os media brasileiros, como o Folha de São Paulo , destacam o facto de no seu discurso, Michelle não ter referido a palavra mulher e de se ter virado para o papel tradicional da mulher. Devota e dedicada à família, foi este o tom das palavras da nova primeira-dama brasileira: "Muita gratidão a Deus, à minha família e aos meus amigos. Em especial, quero agradecer ao meu enteado, Carlos, por toda a ajuda e parceria durante os 23 dias que passamos dentro do hospital em São Paulo."

E pediu apoio para o seu marido. "Estamos todos de um lado só. Juntos alcançaremos o Brasil próspero, com amor, ordem, progresso, paz, educação e liberdade para todos." Durante o discurso, Michelle trocou dois beijos com o marido. Um tom muito diferente do usado pelo marido no seu discurso.

Dois vestidos para leiloar

Vista como o "lado suave" de Bolsonaro, Michelle chamou as atenções mediáticas também pelo guarda-roupa que usou nas cerimónias de tomada de posse, que decorreram na tarde de terça-feira, dia 1 de janeiro.

Os dois vestidos que a primeira-dama brasileira usou são da autoria da estilista carioca Marie Laffayete, que explicou ao site UOL, a escolha por estes dois modelos: o vestido cor-de-rosa da cerimónia de tomada de posse e o vestido de noite da festa. Segundo a estilista, a nova primeira-dama é uma mulher simples, humana, meiga, mas com uma personalidade forte e decidida.

O vestido da tomada de posse, com que Michelle discursou, foi pensado para que esta pudesse mexer os braços durante o discurso. Foi inspirado em mulheres clássicas, como Grace Kelly e Jacqueline Onassis.

Já o vestido de cocktail, preto e rendado, foi pensado para se manter discreto e sem brilhos. Também com pouco decote. Uma escolha inteiramente da primeira-dama, garante Marie Laffayete.

Os vestidos serão posteriormente leiloados, uma marca que Michelle quer manter ao longo do mandato, com as roupas que for usando em atos oficiais. O dinheiro reverterá para causas sociais.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG