"Messi do haxixe" escapa a operação policial com 78 detidos em Espanha

Operação da Guardia Civil, em Sevilha e Cádiz, terminou com 78 detidos, a apreensão de mais de seis toneladas de haxixe e o desmantelamento de um estaleiro que construía embarcações semi-rígidas. Mas o líder escapou.

Era conhecido como o "Messi do haxixe" e liderava uma rede de tráfico de droga sediada no sul de Espanha. E voltou a escapar, por enquanto, às autoridades tal como já aconteceu no passado. Abdellah El Haj Sadek, o "Messi do haxixe" como é conhecido em Espanha por ser grande fã de futebol e em especial do jogador argentino do Barcelona, é um dos líderes de uma organização criminosa agora desmantelada e está a monte sendo alvo de uma mandado de detenção internacional. Suspeita-se que esteja em Marrocos. Na ação, realizadas nas províncias de Sevilha e Cádiz, a polícia pôs fim à importação de quantidades significativas de haxixe de Marrocos. No âmbito da operação, 78 pessoas (70 homens e oito mulheres) foram detidas e foram apreendidas mais de seis toneladas de haxixe, além de cinco embarcações, 17 veículos, 480 mil euros em dinheiro e seis armas. Um estaleiro que construía embarcações semi-rígidas foi desmantelada.

Com esta operação, a Guarda Civil diz, em comunicado, ter desativado uma das organizações mais importantes que operam no rio Guadalquivir, uma subsidiária de outra organização localizada no Campo de Gibraltar. Graças à colaboração da Polícia Real de Gibraltar, sabe-se que um dos detidos é um homem de confiança do líder da organização de tráfico de drogas mais importante da costa da Andaluzia. Abdellah El Haj Sadek liderava o grupo que, devido à pressão exercida pela Guarda Civil, aliou-se ao chamado clã Los Lanas, que operava no rio Guadalquivir, e que a Guarda Civil já havia detetado no verão passado. Esse clã, liderado por dois irmãos, teria mais dois subgrupos: um encarregado de segurança e logística e outro que tratava da mecânica e afinação dos barcos usados no tráfico.

A Guarda Civil fez buscas em 25 domicílios e barcos nas províncias de Cádiz, Sevilha e Málaga, onde apreenderam 6.060 kg de haxixe e cinco embarcações de alta velocidade (avaliadas em milhão e meio de euros), 17 veículos, 480 mil euros em dinheiro, quatro armas curtas e duas longas (uma metralhadora) e 94 mil euros foram bloqueados em 20 contas bancárias. Além disso, foi desmantelado um estaleiro que, com aparência legal, produzia embarcações semi-rígidas. Os 78 detidos são acusados ​de pertencer a organizações criminosas e de tráfico de drogas. A Guarda Civil emitiu um mandado internacional de detenção para o chefe da organização.

"Messi do haxixe" terá 35 anos e já foi detido em mais que ocasião pelas autoridades espanholas. Chegou a ser libertado, numa dessas situações, em 2017, com uma fiança de 80 mil euros. Em liberdade, manteve-se no tráfico e desde março passado que desconhece-se o seu paradeiro.

Exclusivos