Merkel avisa: Schengen depende da proteção das fronteiras da UE

"Devemos proteger as nossas fronteiras externas porque queremos manter Schengen", defende a chanceler alemã

A chanceler alemã, Angela Merkel, advertiu hoje que a manutenção da zona europeia de circulação depende da proteção das fronteiras externas da União Europeia (UE).

Na habitual mensagem por vídeo aos sábados, a chanceler avisou que se não se melhora a segurança externa, algo evidenciado pela crise dos refugiados, a atividade económica na UE pode acabar por ser prejudicada.

"Devemos proteger as nossas fronteiras externas porque queremos manter Schengen", afirmou Merkel numa alusão à zona europeia de livre circulação de pessoas, bens e mercadorias. Senão, adiantou, "põe-se em perigo a zona de livre circulação no mercado comum, que é um fundamento do nosso bem-estar".

Todos os sócios europeus concordam com isto, agora o que temos que fazer é estudar como materializar na prática a proteção das fronteiras externas, adiantou Merkel.

Neste âmbito, a chanceler defende que é um ponto-chave a implementação do acordo entre a UE e a Turquia assinado em finais do ano passado e segundo o qual os 28 pagarão 3000 milhões de euros para financiar parcialmente os custos de manter milhões de refugiados sírios no seu território e para aumentar a vigilância na fronteira turco-grega.

A chefe do governo alemão prevê viajar na próxima segunda-feira para a Turquia para se reunir com o homólogo turco, Ahmet Davutoglu.

A solução também passa por um compromisso de todos os sócios europeus em aceitar "contingentes legais de refugiados", uma proposta essencialmente alemã que gerou uma intensa recusa nalgumas capitais do continente.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG