Melania defende o filho: "É uma vergonha usar uma criança na luta política"

A mulher de Donald Trump não gostou de ouvir a professora de Direito Pamela Karlan fazer uma analogia, durante uma audição no processo de impeachment, no Congresso, com o nome do seu filho de 13 anos, Barron.

Melania Trump criticou, de forma veemente, uma professora de Direito de Stanford, Pamela Karlan, que usou o nome do filho do casal Trump para fazer uma analogia em forma de piada durante uma audição no Congresso no âmbito do processo de impeachment (destituição) de Donald Trump. A testemunha disse o seguinte. "Embora o Presidente possa dar o nome de Barron ao seu filho mas não pode fazer dele um barão." A mulher de Donald Trump reagiu pelo Twitter e disse que Karlan devia ter vergonha de usar uma criança menor para fazer luta política.

"Uma criança menor merece privacidade e deve ser deixada de fora da política. Pamela Karlan, você devia ter vergonha da sua muito zangada e obviamente muita tendenciosa exploração pública, e usar uma criança para fazê-lo", escreveu Melania Trump na sua conta de Twitter, com Donald Trump a partilhar esta mensagem na sua conta logo de seguida.

Barron é filho de Donald e Melania Trump e tem 13 anos. Karlan mencionou o seu nome quando fez uma analogia para discutir as diferenças entre reis e presidentes. "A Constituição diz que não pode haver títulos de nobreza. Portanto, embora o Presidente possa dar o nome de Barron ao seu filho, não pode fazer dele barão", disse Karlan, que é a favor da destituição de Donald Trump.

Foi a primeira vez que Melania Trump falou publicamente sobre o processo de impeachment em curso ao seu marido. Questionada sobre o tweet, a secretária de imprensa da Casa Branca, Stephanie Grisham, disse à CNN: "Acho que o tweet da senhora Trump fala muito claramente por si próprio."

O deputado Matt Gaetz, um republicano da Florida que é um dos mais fortes aliados de Donald Trump no Congresso, confrontou Karlan diretamente com o seu comentário durante a audiência. "Deixe-me dizer também que, quando invoca o nome do filho do presidente quando tenta fazer uma piada ao referir Barron Trump, isso não dá credibilidade ao seu argumento. É você que fica mal", disse Gaetz a Karlan. "Faz parecer que está a atacar alguém por ser da mesma família, no caso o filho menor do presidente dos Estados Unidos".

Refere a CNN que, embora os filhos menores dos presidentes recebam críticas ocasionalmente, é tradição em Washington manter os filhos fora da discussão política. Em 2017, Chelsea Clinton - que era um ano mais nova que Barron Trump quando o pai, Bill Clinton, se tornou presidente em 1993 - defendeu o filho mais novo de Donald Trump. "Já é hora da comunicação social e todos deixarem Barron Trump em paz e deixá-lo ter a infância particular que merece", escreveu Chelsea Clinton há dois anos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...