May pede "garantias legais e vinculativas" no acordo do Brexit

A primeira-ministra britânica diz-se consciente das "preocupações" na Câmara dos Comuns e vai pedir "garantias legais e vinculativas" aos 27, para convencer os deputados britânicos a aprovarem o acordo sobre o Brexit

Theresa May não abre completamente o jogo sobre o que vai pedir no Conselho Europeu, em Bruxelas, para que o acordo do Brexit seja aceite ao nível parlamentar, em Londres, limitando-se a reconhecer as preocupações dos deputados britânicos.

"Conheço as preocupações que há na Câmara dos Comuns sobre a questão do backstop [para a Irlanda] que eles não querem que seja permanente", disse à entrada para a cimeira que decorre a esta hora em Bruxelas. Por isso vem pedir mais flexibilidade no acordo.

"O que vou falar com os líderes hoje é sobre o que acho necessário para que o acordo seja aprovado. Irei apresentar as garantias legais e políticas que eu considero necessárias, para apaziguar as preocupações que os membros do parlamento têm sobre esta questão", disse.

Antes, a chefe do governo britânico esteve reunida com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, o qual já manifestou a vontade da UE a 27 para "ajudar", considerando, porém, que "a questão é saber como".

A primeira-ministra britânica afirma que o compromisso dela é evitar um cenário de uma saída abrupta, dizendo: "não espera avanços imediatos. Mas o que espero é que comecemos a trabalhar nas garantias que são necessárias".

"Sei que os 27 estão a discutir um cenário de não-acordo. Mas, na realidade, o governo britânico também está a discutir o quadro de não-acordo. Mas, penso que, como sempre disse, o melhor para todos, para o Reino Unido e para a União Europeia é ter acordo e ter esse acordo aprovado", afirmou May.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.