May pede à UE para reabrir negociações sobre o Brexit

Primeira-ministra quer voltar a falar com Bruxelas, dizendo que é a única forma de garantir o apoio do Parlamento britânico ao acordo de Brexit. Caso não haja acordo, deputados podem votar a 14 de fevereiro para garantir um Brexit sem acordo.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, terá informado os líderes europeus que quer reabrir as negociações do acordo de Brexit, de forma a conseguir que este tenha o apoio do Parlamento britânico. A informação foi revelada durante o Conselho de Ministros desta manhã.

A União Europeia tem recusado, até agora, reabrir a negociação sobre o Acordo de Saída, algo que May diz ser necessário para alterar o backstop, o mecanismo de salvaguarda que impede o regresso a uma fronteira física entre Irlanda do Norte e República da Irlanda.

"A primeira-ministra disse que, para conseguir o apoio da Câmara dos Comuns, têm que ser feitas mudanças legais ao backstop, o que representa reabrir o Acordo de Saída", disse o porta-voz de May aos jornalistas. A primeira-ministra irá falar ao longo do dia com os líderes europeus.

"Ela disse que um voto na emenda de [Graham] Brady torna claro que a atual natureza do backstop é a razão principal para o Parlamento não apoiar o acordo", acrescentou, citado pela Reuters.

May vai apoiar-se numa das emendas que deverá ser discutida esta tarde no Parlamento britânico. Esta defende que o backstop, que não recebe o apoio até dos conservadores que alegam que a União Europeia ainda fica com o controlo, deve ser "substituído por disposições alternativas". Algo que Bruxelas já recusou fazer.

A primeira-ministra quer ter um novo acordo pronto o mais rapidamente possível, prometendo um novo voto no Parlamento a 14 de fevereiro mesmo se isso não acontecer. Se não conseguir um novo acordo, May fará uma declaração no Parlamento a 13 de fevereiro, permitindo que os deputados apresentem emendas ao texto antes da votação no dia seguinte. Isto irá permitir que os deputados ainda votem para impedir um Brexit sem acordo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG