Marta Bosquet, do Ciudadanos, é a nova presidente do Parlamento da Andaluzia

Com o apoio do Vox, partido de extrema-direita, Ciudadanos e PP querem tirar Susana Díaz e o PSOE do poder: o primeiro ficou com a presidência do Parlamento e o segundo tenciona ficar com a presidência da Junta da Andaluzia

Marta Bosquet, deputada do Ciudadanos, foi esta quinta-feira eleita presidente do Parlamento da Andaluzia. Este foi constituído com base nos resultados das eleições autonómicas andaluzes de dia 2, nas quais o PSOE ganhou, mas sem maioria, obtendo o seu pior resultado em mais de três décadas na região que sempre foi o seu principal feudo. Por isso, PP, Ciudadanos e Vox uniram-se para tirar os socialistas de Susana Díaz, presidente cessante da Junta da Andaluzia, do poder.

Advogada, natural de Almeria, Marta Bosquet, de 49 anos, é licenciada em Direito pela Universidade de Granada e trabalhou até 2008 na área das vítimas de violência de género. No passado dia 2, foi cabeça de lista do Ciudadanos, partido que na Andaluzia tem como líder Juan Marín e, a nível nacional em Espanha, Albert Rivera.

Bosquet integrou a equipa de negociadores que, durante mais de duas semanas, esteve a negociar com o Partido Popular andaluz um acordo com 90 medidas para governar a Andaluzia. Ao fim de 36 anos de domínio do PSOE. O líder do PP andaluz, Juan Manuel Moreno, espera vencer o debate de investidura a 16 de janeiro e ser indigitado para suceder à socialista Susana Díaz. Não sem antes esta dar luta. Pois argumenta que como líder do partido mais votado no dia 2 tem direito a tentar formar governo. Só não se sabe com quem. Uma vez que PP, Ciudadanos e Vox têm 59 deputados, ou seja, mais do que os 55 necessários para chegar à maioria absoluta no Parlamento da Andaluzia.

A nova presidente do Parlamento andaluz foi uma das responsáveis por grande parte das interpelações feitas na comissão de inquérito criada em 2016 para investigar o chamado caso das fraudes com cursos de formação, comissão pela qual passaram a presidente cessante da Junta Susana Díaz e os seus antecessores Manuel Chaves e José Antonio Griñán.

Divorciada, a viver em Almeria com os filhos, de 21 e de 17 anos, Marta Bosquet tornou-se o braço direito do líder do Ciudadanos Andaluzia nos últimos anos. Além daquela comissão, presidiu e foi membro de muitas outras, desde a da Justiça e Assuntos Internos, à da Agricultura e Pescas, passando pelo Desenvolvimento e Habitação. Agora, passa a presidir ao Parlamento mais fragmentado da história da Andaluzia.

Além de PSOE, PP, Ciudadanos e Vox há outros personagens que também conta, a Adelante Andalucía, coligação de vários partidos, entre os quais o Podemos, que conseguiu eleger 17 deputados no dia 2. A líder da coligação, Teresa Rodríguez, confirmou que prefere ficar na oposição do que apoiar o Ciudadanos e o PP juntamente com o Vox. A sua formação, disse, não integrará "nenhum pacto" que "implique branquear" a presença do Vox e da "extrema-direita" no Parlamento. Rodríguez indicou que a Adelante Andalucía "fará frente às direitas e à extrema-direita" nas votações do Parlamento.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.