Manifestantes não desarmam em Hong Kong (e em Londres)

Pelo quinto dia consecutivo, a cidade ficou paralisada devido aos cortes de estradas e às barricadas nas universidades. Em Londres, a ministra da justiça da antiga colónia britânica caiu enquanto era confrontada por manifestantes.

Manifestantes antigovernamentais paralisaram partes de Hong Kong pelo quinto dia consecutivo na sexta-feira, forçando as escolas a fechar e bloqueando algumas estradas principais, enquanto estudantes universitários barricavam as faculdades.

A violência nas ruas levou à morte de um funcionário da limpeza que foi atingido na cabeça com um objeto. As autoridades de saúde fizeram um balanço do número de feridos: nas últimas horas 11 pessoas deram entrada nos serviços de urgência, uma delas em estado grave.

Manifestantes mais radicais apresentaram novas formas de luta nas últimas horas, fazendo uso de arcos e flechas, catapultas, fisgas e andaimes em bambu para montar barricadas.

A chefe do governo, Carrie Lam, condenou "a agressão bárbara" à ministra da justiça da cidade, de visita a Londres, dizendo que o incidente violou os princípios de uma sociedade civilizada. As imagens mostram Cheng cercada por manifestantes que apontavam luzes para a sua cara enquanto a chamavam de "assassina". Dos momentos de tensão vê-se a ministra a cair, tendo sido posteriormente escoltada por seguranças.

Para Carrie Lam, Cheng foi "gravemente ferida" e exigiu à polícia britânica que investigasse o "ataque".

Cheng é um dos membros mais impopulares do governo de Hong Kong, sobretudo porque foi considerada uma das principais arquitectas do projecto de lei sobre a extradição para a China, que incendiou os pós em Junho e foi entretanto abandonada.

Além disso, os serviços que ela dirige são responsáveis pelo tratamento judicial dos casos dos milhares de manifestantes que foram detidos desde junho.

Os manifestantes clamam justiça e têm cinco exigências. A primeira -- o abandono do projeto de lei da extradição -- foi a única atendida pelo governo. Os ativistas exigem amnistia aos manifestantes detidos, a criação de uma comissão de inquérito independente à forma como as forças de segurança têm agido, que as autoridades não cataloguem as manifestações como motins (com todas as consequências penais para os detidos), a demissão de Carrie Lam e a consequente eleição por sufrágio universal para o cargo de chefe de governo da região administrativa especial.

A transferência de Hong Kong para a República Popular da China, em 1997, decorreu sob o princípio "um país, dois sistemas", o que os opositores às alterações da lei da extradição garantem estar agora em causa.

Tal como acontece com Macau, para aquela região foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário. Pequim é responsável pelas relações externas e pela defesa.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...