Mandou calar jovens que acordaram a filha bebé e foi esfaqueada

Uma mulher teve de ser operada de urgência depois de ter sido esfaqueada à porta de casa. Não há detidos.

O barulho de um grupo de jovens a conversar à porta de casa de Donna Cross, em Chatham, Kent, Inglaterra, na terça-feira, acordou a filha de oito semanas. Por isso, esta mulher britânica foi até à porta e pediu aos jovens para se calarem. Só não esperava o que aconteceu de seguida: um deles esfaqueou-a no peito, mesmo acima do coração.

Donna Cross, que esteve entre a vida e a morte, teve de ser levada de urgência para o hospital King's College, em Londres, onde foi submetida a uma cirurgia.

"Tudo aconteceu muito depressa. Nenhum de nós se apercebeu de início que ela tinha sido esfaqueada", contou o namorado, Jon Stone, ao jornal local Kent Online. "Pensei que ela ia morrer. Só conseguia pensar na nossa filha bebé ficar sem mãe", desabafou, explicando que há sempre grupos de jovens a fazer barulho na rua e que, desta vez, a companheira perdeu a paciência.

Na sequência do ataque, a polícia deteve um homem de 19 anos, o qual acabou por ser libertado mais tarde sem acusação.

Segundo Jon Stone, o agressor foi uma jovem com cerca de 18 anos, caucasiana, magra, de cabelo castanho comprido. O grupo incluía uma outra mulher, de cabelo loiro, e um homem, de bicicleta.

A polícia local confirmou o incidente a explicou que continua a investigar.

"Isto devia ser tratado como tentativa de homicídio", defende Jon Stone.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.