Mais uma demissão no governo de May. Agora foi a líder da Câmara dos Comuns

Andrea Leadsom diz não acreditar no acordo de retirada de Theresa May. A até agora líder da Câmara dos Comuns poderá ser candidata à sucessão da primeira-ministra.

Andrea Leadsom demitiu-se do governo ao alegar que não poderia mais apoiar a abordagem de Theresa May para tentar, à quarta tentativa, passar o acordo do Brexit no Parlamento.

"Eu não acredito que a nossa abordagem vai cumprir o resultado do referendo," escreveu Leadsom na carta de demissão para May. "É, portanto, com grande pesar e com um coração pesado que me demito do governo."

O novo plano de Brexit de May inclui uma votação sobre a realização de um segundo referendo bem como acordos comerciais mais estreitos com a UE no futuro. Mas estas propostas levaram a que vários deputados que a apoiaram nas votações anteriores rejeitassem o seu novo plano. E há crescentes pedidos de deputados e ministros para que May se demita o quanto antes. Durante o dia as redes sociais foram caixa de ressonância de rumores que davam conta que a chefe do governo iria demitir-se hoje.

"Eu sempre defendi que um segundo referendo seria perigosamente divisório, e não apoio que o governo faça tal concessão", escreveu a até agora líder da Câmara dos Comuns (cargo equiparado ao ministro dos Assuntos Parlamentares).

"Ninguém queria que você tivesse mais sucesso do que eu", escreveu Leadsom para May. "Mas agora peço-vos que tomem as decisões certas no interesse do país, deste governo e do nosso partido.

Um porta-voz de Downing Street reagiu à demissão, tendo dito que Theresa May diz-se desapontada. "Andrea Leadsom serviu com distinção e grandecompetência como membro do governo, e a primeiro-ministra está grato por todo o seu trabalho. Estamos desapontados que tenha escolhido renunciar, mas a primeira-ministra permanece focado em concretizar o Brexit que o povo votou a favor", disse o porta-voz.

May deve reunir-se na sexta-feira com o presidente do Comité 1922, grupo parlamentar dos conservadores, depois de terminada a campanha para as eleições para o Parlamento Europeu. No final da última reunião entre Graham Brady e May, aquele anunciou que a líder conservadora iria apresentar a demissão em junho.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.