Mais uma barragem rompe-se no Brasil

Populações de duas cidades da Bahia foram evacuadas.

Uma barragem rompeu-se esta quinta-feira no povoado de Quati, cidade de Pedro Alexandre, a cerca de 435 quilómetros de Salvador da Bahia. A população está a abandonar as suas casas e está a ser deslocada pelas autoridades para locais seguros.

Segundo a Defesa Civil municipal, as fortes chuvas que caem na região do Rio do Peixe contribuíram para o rompimento da estrutura. Não há informações sobre feridos. "Algumas casas foram invadidas, mas não teve feridos. Ainda não conseguimos contacto com esses moradores porque o povoado está ilhado. Tem muita lama e água no caminho. Apesar disso, sabemos que eles não foram atingidos porque entramos em contacto antes, e eles deixaram as casas antes do rompimento", afirmou Carla Leão, coordenadora da Defesa Civil, citada pela imprensa brasileira.

O acidente ocorreu por volta das 11.00 (hora local) e de acordo com a imprensa brasileira a lama segue em direção à cidade vizinha, João Sá, cujo prefeito, Carlinhos Sobral, emitiu um alerta nas redes sociais: "Pessoal, a barragem do Quati estourou. É uma situação atípica. Nunca aconteceu isso com essa barragem. Nós não sabemos as consequências. Eu peço encarecidamente a todas as pessoas que moram em área de risco que saiam das suas casas, que peguem seus documentos pessoais, seus objetos de valor, o que puderem levar".

A estrada BR-325 foi tomada por água e lama e ficou intransitável.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.